PARTOS PREMATUROS EM ADOLESCENTES EM RIO BRANCO - ACRE NO ANO DE 2015

Autores

  • Ana Rosa Sales Hydall Faculdade Barão do Rio Branco-UNINORTE/AC
  • Risauda Nóbrega Duarte Faculdade Barão do Rio Branco (FAB) UNINORTE/AC
  • Ruth Silva Lima da Costa Secretaria Estadual de Saúde do Acre e Faculdade Barão do Rio Branco (FAB) UNINORTE/AC. AC, Brasil.

Resumo

Introdução: Atualmente o aumento do número de casos de gravidez na adolescência tem se tornado um fator preocupante, pois na maioria dos casos a maternidade nesse período pode trazer consequências físicas, emocionais, sociais e econômicas à mãe adolescente e ao recém-nascido, principalmente pelo aumento do risco da ocorrência de partos prematuros. Objetivo: O objetivo da pesquisa foi identificar o número de partos prematuros de mães adolescentes na cidade de Rio Branco – Acre, no ano de 2015. Método: Trata-se de um estudo transversal, exploratório, de abordagem quantitativa, com coleta de informações em banco de dados secundários. Resultados: Os resultados apontam que ocorreram 636 partos prematuros em Rio Branco no ano de 2015, destes 158 (25%) em adolescente entre 10 a 19 anos, e 478 (75%) em mulheres entre 20 e 49 anos.  Quanto ao grau de instrução, 75 (47%) das adolescentes estudaram de 4 a 7 anos e 71 (45%), de 8 a 11 anos; 103 (65%) estavam em união consensual e 44 (28%) eram solteiras. Quanto ao número de consultas de pré-natal, 73 (46%) realizaram de 04 a 06 consultas, e 38 (24%) de 1 a 3 consultas. Quanto ao tipo de parto, 98 (62%) tiveram parto vaginal e 60 (38%) parto cesáreo, dessas 13 (8%) tinham entre 10 e 14 anos de idade, e 145 (92%) de 15 a 19 anos. Conclusão: Conclui-se que a ocorrência de partos prematuros em adolescentes na cidade de Rio Branco é um fator preocupante e sugere a necessidade de implementação de ações específicas voltadas à saúde reprodutiva de adolescentes no município, como o desenvolvimento e a implantação de políticas públicas efetivas direcionadas a essa população para uma melhor abordagem da problemática.

Palavras-chave: Gravidez na adolescência. Trabalho de parto prematuro. Fatores de risco.

Referências

REFERÊNCIAS

LIMA, T.N.F.A et al. Redes de apoio social às mães adolescentes. Rev. enferm. UFPE on line, v. 10, n. 6, p. 4741-4750, 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Orientações básicas de atenção integral à saúde de adolescentes nas escolas e unidades básicas de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

TRINDADE, R.F.C; BORGES, A.V.L. Gravidez na adolescência. Enfermagem e a saúde do adolescente na atenção básica. Barueri (SP): Manole. p. 34-45. 2009.

ZANI, A.V. et al. Recém-Nascido de risco na percepção da mãe adolescente. Rev. Rene. v. 12. Fortaleza, 2011.

KASSAR, S. B. et al. Peso ao nascer de recém-nascidos de mães adolescentes comparados com o de puérperas adultas jovens. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. Recife, v. 5, n. 3, p. 293-299, set. 2005.

SIMOES, V. M. F. et al. Características da gravidez na adolescência em São Luís, Maranhão. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 5, p. 559-565, out. 2003.

YAMAGUCHI, M. U. et al. Complicações maternas e neonatais em fila de espera da Central de Regulação de Leitos na macrorregião de Maringá. Mundo Saúde.p.197-203. 2014.

EVALDO, L.C.; MARIA, C.F. S.; ADRIANO, D. Gravidez na adolescência determinante para prematuridade e baixo peso. Com. Ciências Saúde - 22 Sup. P.183-188. 2011.

BRITO, E. P.; MOLENA-FERNANDES, C. A.; FILHO, C. C.S. Os serviços de saúde sob a ótica da adolescente grávida: uma revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 5, n. 3, p. 563-572, 2015.

NADER, P. R. A.; COSME, L. A. Parto prematuro de adolescentes: influência de fatores sociodemográficos e reprodutivos. Espírito Santo, 2007. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 14, n. 2, p. 338-345, 2010.

CARNIEL, E. F. et al. Características das mães adolescentes e de seus recém-nascidos e fatores de risco para a gravidez na adolescência. Campinas, SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 2006.

DINIZ, E.; KOLLER, S.H. Fatores associados à gravidez em adolescentes brasileiros de baixa renda. Paidéia, v. 22, n. 53, 2012.

GOLDENBERG, P.; FIGUEIREDO, M.C.T; SILVA, R.S. Gravidez na adolescência, pré-natal e resultados perinatais. Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. p.1077-1086. 2005.

CONDE-AGUDELO, A.; BELIZÁN, J.M.; LAMMERS, C. Maternal perinatal morbidity and mortality associated with adolescent pregnancy in Latin America: cross-sectional study. Am J Obstet Gynecol.p. 342-349. 2005.

CHANG, S.C. et al. Characteristics and risk factors for adverse birth outcomes in pregnant black adolescents. J Pediatr.p. 250-257. 2003

ROCHA, R.C.L. et al. Prematuridade e baixo peso entre recém-nascidos de adolescentes primíparas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. P. 530-535. 2006

AZEVEDO, G.D. et al. Efeito da idade materna sobre os resultados perinatais. Rev. Bras Ginecol Obstet.p.181-185. 2008.

VIERIA, E.M. et al. Gravidez na adolescência e transição à vida adulta em jovens usuárias do SUS. Rev. Saúde Publica.p 25-51. 2017.

FRASER, A.M.; BROCKERT J.; WARD R.H. Association of young maternal age with adverse reproductive outcomes. N Engl J Med.p.1113-1117. 2005

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

FERNANDES, R. F. M. et al. Características do pré-natal de adolescentes em capitais das regiões Sul e Nordeste do Brasil, Texto & Contexto - Enfermagem. p. 80-86. 2015.

SILVEIRA, I.P.; OLIVEIRA, M.I.V.; FERNANDES, A F.C. Perfil Obstétrico de Adolescentes de uma Maternidade Pública no Ceará. Esc Anna Nery R Enferm.p. 205-210. 2004.

DA SILVA, B.D.; TAVARES, B. B. Expectativa quanto ao parto e conhecimento do motivo da cesárea: entre puérperas adolescentes e adultas. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n. 1, 2010.

Downloads

Publicado

2018-07-20