VIVENCIANDO PROCESSOS EDUCACIONAIS NA SAÚDE COM O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS NA PERSPECTIVA DO INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA DO HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS (IEP/HSL)

Eufrasia Santos Cadorin

Resumo


Introdução: O presente artigo relata a vivência na formação em processos educacionais na saúde com o uso de Metodologias Ativas enquanto estratégia no processo ensino aprendizagem. Objetivos: Tem como objetivo descrever o processo formativo e promover reflexões sobre as possibilidades e limites para a utilização dessas estratégias no campo de formação na área da saúde. Método: O curso foi promovido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, sendo desenvolvido no município de Rio Branco - Acre, no período de outubro de 2016 a fevereiro de 2017, na modalidade semipresencial, com carga horária de 180 horas. Resultados: Atualmente, a formação superior na área da saúde, vem passando por transformações significativas nos modos de ensinar e aprender, a partir de mudanças nas Diretrizes Curriculares Nacional e das mudanças comportamentais de jovens e adultos no mundo moderno, onde a tecnologia assume um importante papel na sociedade. Conclusão: No ensino atual, não cabe mais a figura do professor autoritário e detentor do exclusivo do saber que se transmite de forma verticalizada. O professor assume a postura de um facilitador no processo, onde o educando é sujeito corresponsável com a sua aprendizagem, devendo para isso mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes que possibilitem a ação-reflexão-ação, com estratégias que possibilitem a reflexão considerando seus conhecimentos prévios que são ressignificados cotidianamente nos espaços de formação.

Palavras-chave: processos educacionais; saúde; metodologias ativas.


Texto completo:

PDF

Referências


FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Apresentação de Ana Maria Araújo Freire. Carta-prefácio de Balduino A. Andreola. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

SOUSA, Katia Menezes de. A função enunciativa como instância de diferenciação dos indivíduos e de possibilidade de identificação. Universidade Federal de Goiás. 2008. Disponível em: http://dlm.fflch.usp.br/sites/dlm.fflch.usp.br/files/Katia%20Sousa.pdf. Acesso em: 20 jan. 2017.

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 47ª ed - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 50. ed. rev. e atual - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

MEHRY, Emerson Elias. Saúde a cartografia do trabalho vivo. 3 Ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. MiniAurélio: o dicionário da língua portuguesa. - 8. ed. - Curitiba: Positivo, 2010.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2008, vol.13, suppl.2 [cited 2017-03-01], pp.2133-2144. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000900018&lng=en&nrm=is. Acesso em: 3 jun. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 02 mai. 2016.

LIMA, Valéria Vernaschi. Processos Educacionais na Saúde: ênfase em avaliação por competência: caderno. do curso 2016-2017. São Paulo: Ministério da Saúde; Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, 2016a.

LIMA, Valéria Vernaschi. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface (Botucatu), Botucatu, 2016b. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832016005023103&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 01 mar. 2017.

MOREIRA, Marco Antonio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implantação na sala de aula. - Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargo. Ensinar, Aprender, Apreender e Processos de Ensinagem. Disponível em: http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2015/09/Oficina-3-Desafios-do-trabalho-docente-na-avaliacao-processual-Conteudo-utilizado-1.pdf. Acesso em: 02 fev. 2017.

OLIVEIRA, Ellys Marina Lara de. et. al. Fundamentos Educacionais para a formação de facilitadores em Metodologias Ativas. PBL2016 International Conference. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.panpbl.org/site/evento/wp-content/uploads/2016/10/6104648.pdf. Acesso em: 27 fev. 2017.

JESUS, Elieser Ademir de; RAABE. André Luis Alice. Interpretações da Taxonomia de Bloom no Contexto da Programação Introdutória. XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (2009). Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/1151/1054. Acesso em: 27 fev. 2017.

BOLLELA, Valdes Roberto, et. al. Aprendizagem baseada em equipes: da teoria à prática. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/2014/vol47n3/7_Aprendizagem-baseada-em-equipes-da-teoria-a-pratica.pdf. Acesso em: 05 mar. 2016.

VILLAS BOAS, B. M.de F. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas, SP: Papirus 2004.

GOMES, Andréia Patrícia. et. al. Avaliação no Ensino Médico: o papel do portfólio nos currículos baseados em metodologias ativas. Rev. bras. educ. med. vol. 34 n.3 Rio de Janeiro jul./set. 2010. Disponível em: Disponível em . Acesso em: 05 mar. 2017.

KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. Revista da Avaliação da Educação Superior. Campinas 10.2 (2005): 137-147


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC