EFEITOS DO USO DE DROGAS ILÍCITAS DURANTE A GRAVIDEZ

Mirlene Gurgel Monte

Resumo


Objetivo: analisar os efeitos do uso de drogas durante o período gestacional. Metodologia do estudo: trata-se de uma revisão sistemática da literatura cientifica de natureza básica. Para a busca dos artigos utilizou-se o site da BVS, utilizando os seguintes descritores na língua portuguesa: “drogas ilícitas e gestação, drogas e gravidez, drogas de abuso e gravidez”. Na primeira palavra-chave foram encontradas 28 publicações, na segunda 288 publicações e na terceira 40 publicações, e foi selecionado um total de 11 referências do ano de 2008 a 2016 para esta revisão. Resultados: as maiores consequências encontradas relacionadas ao uso das drogas ilícitas e licitas em mulheres no período gestacional foram: abstinência fetal, deslocamento prematura da placenta, envolvimento cognitivo e emocional materno, prematuridade, baixo peso ao nascer entre outros. Conclusão: concluímos que as grávidas faziam uso de etanol, tabaco, maconha, cocaína, metanfetamina, crack, colocando em risco o desenvolvimento do feto e de sua saúde.  

Palavras-chave: Drogas ilícitas, Drogas de abuso, Gravidez, Anomalias Induzidas por Drogas.


Texto completo:

PDF

Referências


MARTINS, C. et al. Crack: A nova epidemia obstétrica. Revista. HCPA.v.33, n.1, p.56-65, Porto Alegre, 2013. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/78878/000901311.pdf. Acesso em: 05 jul. 2017.

COUTINHO, T.; COUTINHO, C. M.; COUTINHO, L. M. Assistência pré-natal ás usuárias de drogas ilícitas. Revista Femina, v. 42, n.1, p.12-18, Jan - fev. Juiz de Fora (MG), 2014. Disponível em: https://www.google.com.br/search. Acesso em: 05 jul. 2017.

SOUZA, J.; KANTORSKI, L.P. Embasamento político das concepções e práticas referentes às drogas no Brasil. SMAD, Revista eletrônica de saúde mental álcool e drogas. 2007;3(2). Disponível em: http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/38656/41503. Acesso em: 05 jul. 2017.

CEMBRANELLI, E. et al. Consequências do uso de cocaína e metanfetamina durante a gravidez. Revista Femina, v. 40, n. 5, p. 242-245, Set-Out, Teresópolis (RJ), 2012. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2012/v40n5/a3413.pdf. Acesso em: 05 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5ª ed. – Brasília, DF; 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social / Antônio Carlos Gil. - 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

ROCHA, P. C. et al. Prevalência e fatores associados ao uso de drogas ilícitas em gestantes da coorte BRISA. Cad. Saúde Pública, v. 32, n. 1, e00192714, Rio de Janeiro,2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n1/0102-311X-csp-0102-311X00192714.pdf. Acesso em: 05 jul. 2017.

KASSADA, D. S. et al. Prevalência do uso de drogas de abuso por gestantes. Acta paul. Enferm. v. 26, n. 5, p. 467-471, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v26n5/a10v26n5.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

KASSADA, D. Satie; MARCON, Sonia Silva; WAIDMAN, Maria Angélica Pagliarini. Percepções e práticas de gestantes atendidas na atenção primária frente ao uso de drogas. Esc. Anna Nery, v. 18, n. 3, p. 428-434, Sept. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n3/1414-8145-ean-18-03-0428.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

YAMAGUCHI, E.T., et al. Drogas de abuso e gravidez. Revista de Psiquiatria. Clínica. São Paulo (SP), 2008, v. 35, suplementar.1, p.44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35s1/a10v35s1.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

SILVA, F. M. et al. Crack na gestação: Consequências no crescimentodesenvolvimento do feto e do recém-nascido. Rev. Enferm. UFPE on line; 10(6): 4934-4941, dez. São Paulo, 2016. Disponível em: http://search.bvsalud.org/cvsp/resource/pt/bde-30054. Acesso em: 12 ago. 2017.

BARBOSA, T. D. et al. Manifestações do uso de maconha e opiáceos durantes a gravidez. Revista Femina, v.39, n.7, p.386-389, julho, Teresópolis (RJ), 2011. Disponível em: http://search.bvsalud.org/cvsp/resource/pt/bde-30054. Acesso em: 12 ago. 2017.

ROCHA, R. S. et al. Consumo de medicamentos, álcool e fumo na gestação e avaliação dos riscos teratogênicos. Rev. Gaúcha Enferm. v. 34, n. 2, p. 37-45, June Porto Alegre, 2013. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/27191. Acesso em: 12 ago. 2017.

MAIA, J.A; MESQUITA, R.O. Experiências e percepções de mães usuárias de drogas atendidas em uma unidade de saúde da atenção primária. Ariquemes (RO). Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente. 2015;6(1):1-13. Disponível em: https://www.google.com.br/search. Acesso em: 12 ago. 2017.

STIPPO, M. A. C; ASSIS, L. S.; LEITE, J. L. et al. O consumo do álcool e as doenças cardiovasculares: uma análise sob o olhar da enfermagem. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2007;11(4):581-85. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/664/540. Acesso em: 12 ago. 2017.

SOUZA, M. T. de; SILVA, M. D. da; CARVALHO, R. de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 8, n.1, p.102-106, mar. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf Acesso em: 12 ago. 2017.

CHAVES, N. H; MOREIRA, R. A. S. Fundamentos de obstetrícia básica. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2007.

HOLZTRATTNER, J.S. Crack, gestação, parto e puerpério: um estudo bibliográfico sobre a atenção à usuária [monografia]. Porto alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010.

STIPPO, M.A.C; et al. O consumo do álcool e as doenças cardiovasculares: uma análise sob o olhar da enfermagem. Esc. Anna Nery Rev. 2007;11(4):581-85.

PINHO, P.H. et al. Reabilitação psicossocial na atenção aos transtornos associados ao consumo de álcool e outras drogas: a concepção de profissionais de saúde. Rev. Esc. Enferm. USP. 2009;43(Esp. 2):1261.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC