ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA ESTIMULAÇÃO PRECOCE EM CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL

Gessiana Ferreira Luciano dos Santos

Resumo


Introdução: O presente artigo expõe uma revisão da literatura sobre o tema da atuação da fisioterapia na estimulação precoce em criança paralisia cerebral. Objetivo: Relatar a interferência da paralisia cerebral (PC) no desenvolvimento motor típico da criança e descrever a importância da atuação da fisioterapia precocemente nessas crianças, usando método específico da área fisioterapêutica como Cuevas Medek Exercises, Pediasuit ou Therasuite e conceito neuroevolutivo Bobath, baseados na neuroplasticidade. Método: Foi realizado um levantamento bibliográfico por meio de bancos de dados eletrônicos, além de pesquisas em livros e revistas científicas. Resultados: Nos estudos abordados, evidenciou-se que realmente tais técnicas contribuem para o aprendizado motor, devendo ser realizadas nos primeiros anos de vida, no auge da neuroplasticidade para atingir resultados mais significativos, obtendo, assim, um efeito mais próximo possível do desenvolvimento típico. Considerações Finais: Esse estudo permitiu compreender que a Fisioterapia na estimulação precoce tem grande importância no desenvolvimento motor das crianças com PC. Dessa forma, este trabalho torna-se de grande importância e impacto para a sociedade, instigando a produção de novas pesquisas, incluindo a de campo.

Palavras-chave: Paralisia Cerebral. Fisioterapia. Desenvolvimento da Criança.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com paralisia cerebral. Brasília: Ministério da Saúde, 2013, p. 15. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_70.pdf. Acesso em: 24 jul. 2015.

CANS, C.; DOLK, H.; PLATT, M. J. et al. Recommendations from the SCPE collaborative group for defining and classifying cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology. 2007;49(109):35-38.

FONSECA, L. F.; XAVIER, C. C.; PIANETTI, G. Compêndio de neurologia infantil. Rio de Janeiro: 2ª edição, Medbook, 2011.

LEITE, J. M. R.S.; PRADO, G.F. Paralisia Cerebral: aspectos fisioterapêuticos e clínicos. Revista Neurociências: São Paulo, 2004;12;1:41-45. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2004/RN%2012%2001/Pages%20from%20RN%2012%2001-7.pdf. Acesso em: 3 ago. 2015.

O’SHEA, T.M. Diagnosis, treatment, and prevention of cerebral palsy. Clinical Obstetrics and Gynecology, Philadelphia, 2008, v. 51, n. 4, p. 816-828. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3051278/. Acesso em: 27 abr. 2015.

ZANINI, G.; CEMIN, N.F.; PERALLES, S.N. Paralisia Cerebral: causas e prevalências. Revista Fisioterapia em Movimento. Curitiba, 2009;22;3:375-381. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/rfm?dd1=2814&dd99=view&dd98=pb. Acesso em: 3 mai. 2015.

BAX, M.; GOLDSTEIN, M.; ROSENBAUM, P. et al. Proposed definition and classification of cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2005; 47:571-6. Acesso em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16108461. Acesso em: 12 jul. 2015.

LIMA, A.S.; CIPRIANO, D.; SILVA, E.F. Simpósio Internacional de Ciências Integradas da Unaerp Campos Gurujá: Paralisia Cerebral. [Internet]. 2010 [acesso2015Nov29]. Disponível em: www.unaerp.br/index.php/documentos/1176-paralisia-cerebral/file. Acesso em: 4 mai. 2015.

SHEPHERD, R. B. Fisioterapia em Pediatria. 3ª ed. São Paulo: Editora Santos; 1996.

OLIVEIRA, L.B.; DANTAS, A. C. L. M.; PAIVA, J. C., et al. Recursos fisioterapêuticos na paralisia cerebral pediátrica. Catussaba. 2013;2; 2:25-38. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/catussaba/article/view/296/285. Acesso em: 25 ago. 2015.

ROTTA, N. T. Paralisia cerebral, novas perspectivas terapêuticas. J. Pediatr. (Rio J.) [Internet]. 2002 [acesso 2015 Fev 25];78 (Suppl 1):48-54. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572002000700008&lng=pt. Acesso em: 8 set. 2015.

TECKLIN, J. S. Fisioterapia Pediátrica, 3ª edição. São Paulo: Editora Artmed, 2002.

WHO. World Health Organization. International classification of function and disability, beta-2 version. Geneva; 1999.

FORTI-BELLANI, C.D.; CASTILHO-WERNERT, L.V. Fisioterapia em pediatria. Curitiba: Omnipax; 2011.

CENTRO BOBATH. Notas para Acompanhamento do Curso de 8 Semanas em Pararalisia Cerebral. 1ª edição. Londres, Reino Unido: The Bobath Center; 1997.

FONSECA, L. F.; LIMA, C. L. F.A. Paralisia Cerebral: Neurologia, Ortopedia e Reabilitação. Rio de Janeiro: 2ª edição: Medbook; 2008.

UMPHRED, D.A. Reabilitação Neurológica. 4ª edição. Barueri: Editora Manole; 2004.

ASSIS-MADEIRA, E.; CARVALHO, S. Paralisia cerebral e fatores de risco ao desenvolvimento motor: uma revisão teórica. Cadernos de Pós Graduação em Distúrbios do desenvolvimento. São Paulo. 2009;9;1:142-163. Disponível em: http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCBS/Pos-Graduacao/Docs/Cadernos/Caderno_vol_8/2009.2Artigo_9_PARALISIA_CEREBRAL_E_FATORES_DE_RISCO_AO_DESENVOLVIMENTO_MOTOR_UMA_REVIS__TE_ICA.pdf. Acesso em: 10 jun. 2015.

FLEHMIG I. Atlas do Desenvolvimento Normal e seus Desvios nos Lactentes: diagnóstico e tratamento precoce do nascimento até o 18º mês. 1ª edição. São Paulo: Atheneu; 2005.

GALLAHUE, D. L. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte Editora; 2003.

PERIN, A. E. Estimulação Precoce: sinais de alerta e benefícios para o desenvolvimento. Revista de Educação do Ideau. Rio Grande do Sul, 2010;5;12:2-13. Disponível em: http://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/161_1.pdf. Acesso em: 13 maio 2015.

SCHWARTZMAN, J. S. Paralisia cerebral. Arquivos Brasileiros de Paralisia Cerebral. São Paulo, 2004;1:4-17. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/2350/235016541011/. Acesso em: 23 jul. 2015.

CUEVAS, K. R. Método Dinámico de Estimulación Kinesiológica, MEDEK – parte I: evaluación. Kinesiología. Jul, 1996;44:4-8, a.

RIZZO, C. A. Y.; MARQUES, R. Terapia Cuevas Medek Exercises: Método Dinâmico de Estimulação Cinética. In: Assis RD. Condutas Práticas em Fisioterapia Neurológica. Barueri: Editora Manole; 2012. p. 415. Disponível em: http://www.cuevasmedek.com/cases/. Acesso em 3 fev. 2015.

CUEVAS, K. R. Método Dinámico de Estimulación Kinesiológica, MEDEK – parte II. Kinesiología, oct. 1996; 45:14-20, b. Disponível em: http://www.cuevasmedek.com/cases/. Acesso em: 3 fev. 2015.

ASSIS, R. D. Condutas Práticas em Fisioterapia Neurológica. Barueri: Editora Manole; 2012.

CUEVA MEDEK EXERCISES. the 21century therapy for children. [Internet]. 2014 [acesso2015Set07]. Disponível em: http://www.cuevasmedek.com/cases/. Acesso em: 15 fev. 2015.

PEDROZO, L.; THOMAS, J.; OLIVEIRA, L.; PAIVA, B. Protocolo do Pediasuit. In Assis R. D. Condutas Práticas em Fisioterapia Neurológica. Barueri: Editora Manole; 2012. p. 344.

SCHEEREN, E. M.; MASCARENHAS, L. P. G; CHIARELLO, C. R. et al. Description of the Pediasuit Protocol TM. Fisioter. mov. [Internet], 2012 [acesso2015 Out 21]; 25(3): 473-480. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-51502012000300002&lng=pt. Acesso em: 25 mar. 2015.

BAR-HAIM, S.; HARRIES, N.; NAMMOURAH, I. et al. Comparison of efficacy of Adeli Suit and neurodevelopmental treatments in children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol, 2006;48:325-30. Disponível em: http://www.adeli-suit.com/English/index.htm Acesso em: 25 mar. 2015.

DABROWSKI, E. Efficacy of axial loading with therapy in cerebral palsy: a preliminary report. Develop Med Child Neurol, 2004;46 (99):45-46.

BAILES, A. F.; GREVE, K.; SCHMITT, L. C. Changes in two children with cerebral palsy after intensive suit therapy: a case report. Pediatr Phys Ther. 2010;22 (1):76-85. Disponível em: https://insights.ovid.com/pubmed?pmid=20142709. Acesso em: 25 mar. 2015.

BOWER, E.; MCLELLAN, D.L.; ARNEY, J. et al. A randomized controlled: trial of different intensities of physiotherapy and different goal setting procedures in 44 children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol, 1996;38 (3): 226-37. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1469-8749.1996.tb15084.x/epdf Acesso em: 3 fev. 2015.

SEMENOVA, K. A. Basis for a method of dynamic proprioceptive correction in the restorative treatment of patients with residual-stage infantile cerebral palsy. Neurosci Behav Physiol, 1997;27: 639-43. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9406213. Acesso em: 22 abr. 2015.

GUSMAN, A.S.; TORRE, C. A. Habilitação e reabilitação. Fisioterapia aplicada em crianças com problemas neurológicos. In: Diament, A. e Cypel, S. (Eds.), Neurologia Infantil. São Paulo: Atheneu. 2010;2; 4ª: 1753- 1775.

DIAS, A. A. S. Revisão Bibliográfica Sobre o Método Bobath– à luz da fisioterapia na encefalopatia crônica da infância tipo diplegia espástica de 0 (zero) a 3 anos. [Dissertação de graduação] Rio de Janeiro. Universidade Veiga de Almeida, 2007. Disponível em: https://www.uva.br/sites/all/themes/uva/files/pdf/revisao_bibliografica_metodo_bobath.pdf. Acesso em: 22 abr. 2015.

MARTINS, S. M. M. Q.; DEL GUIDICE, A. V. Um novo auxílio para tratar a paralisia cerebral. Fisio & Terapia, cidade a procurar. 2001;28: 25-27. Disponível em: https://www.inspirar.com.br/novosite/wp-content/uploads/2013/05/revisao-sistematica-eficacia-artigo-306.pdf. Acesso em: 22 abr. 2015

BRIANEZE, A. C. G. S; CUNHA, A. B.; PEVIANI, S.M. et al. Efeito de um programa de fisioterapia funcional em crianças com paralisia cerebral associado a orientações aos cuidadores: estudo preliminar. Fisioter. Pesquisa [Internet]. 2009 Mar [acesso2015Out20]; 16(1): 40-45. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502009000100008&lng=pt. Acesso em: 22 abr. 2015.

PALÁCIO, S. G.; FERDINANDE, A. K. S.; GNOATTO, F. C. Análise do Desempenho Motor de Uma Criança com Hemiparesia Espástica Pré e Pós-Tratamento Fisioterapêutico: Estudo de Caso. Ciênc. cuid. Saúde, 2008;7 (1):127-131. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/6583/3896 Acesso em: 3 fev. 2015.

UBALDO, J. O. P.; MEDEIROS, F. D.; BRITO, R.N. A Utilização do Conceito Neuroevolutivo Bobath na Paralisia Cerebral: Intervenção fisioterapêutica domiciliar. [Internet]. Sd [acesso 2015 Out 24]. Disponível em: http://docslide.com.br/documents/artigo-bobath-na-paralisia-cerebral.html. Acesso em: 22 abr. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC