RELIGIÕES AYAHUASQUEIRAS E IDENTIDADE REGIONAL: CENTRO ESPÍRITA BENEFICENTE UNIÃO DO VEGETAL

Rafael Ademir Oliveira de Andrade

Resumo


Introdução: O Centro Espírita Beneficente União do Vegetal é religião fundada na cidade de Porto Velho, estado de Rondônia, na Amazônia brasileira. Esta religião permite em seus rituais a confluência de elementos regionais que perpassam a cultura rondoniense e do norte do Brasil, tais como a aproximação com a religiosidade de grupos indígenas, forte presença do catolicismo, aspectos morais e organizativos da colonização dos espaços amazônicos, dentre outros. O objetivo deste artigo é analisar elementos relacionais entre a religião e a identidade regional formada a partir dos elementos que a mesma agrega em si, para realizar tal objetivo, serão analisados que compõem a base cultural da religião e suas raízes simbólicas com o pensamento comum sobre a Amazônia e o norte brasileiro. Método: O método de desenvolvimento de trabalho passa pela experiência de campo e análise de recortes da teoria produzida até o momento acerca do tema. Como procedimentos metodológicos apresentamos o fichamento e análises de livros disponíveis na biblioteca central da Universidade Federal de Rondônia e dissertações ou teses produzidas que dissertam sobre o tema, o pesquisador frequentou também, na forma de visitante, as reuniões da União do Vegetal, resguardando aqui elementos ritualísticos em respeito à cultura do grupo analisado. Conclusões: A partir da análise da bibliografia e dos discursos oficiais dos membros e documentos da instituição, é possível perceber uma forte relação entre a União do Vegetal e elementos identitários da cultura rondoniense, sendo ela fundada pelo contato de um migrante nordestino com a religiosidade indígena e ribeirinha, considera-se um fato social normal que esses elementos se unam no arcabouço cultural da religião.

Palavras-chave: Rondônia. Identidade Regional. União do Vegetal.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

DOUGLAS, M. Pureza e Perigo. Rio de Janeiro: Edições 70, 2002.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

CALDAS, A. L. “O sagrado e o Profano”. Caderno de Criação, UFRO, CENHPRE, Ano IV, n°, setembro, Porto Velho, 1997.

ELIADE, M. Mito e Realidade. 5º Ed. São Paulo: Editora Perspectiva, coleção debates. 1998, 170 p.

DURKHEIM, É. Tradução Paulo Neves. As formas elementares da vida religiosa O sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

ELIADE, M. O sagrado e o profano: A essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

SANGIRARDI, Jr. O Índio e as Plantas Alucinógenas. Rio de Janeiro: Editora Ediouro, 1989.

CEMIN, A.; MADEIRO, E. C.; ARAÚJO, E. D. “A ayahuasca como terapêutica para o uso de drogas (o imaginário do uso e da cura) ”. Caderno de Criação, UFRO/ Dep. De História/CEI, n° 27, ano IX, março, 2002.

FERNANDES, V. F. História do povo Juramidam; introdução à cultura do Santo Daime. Manaus: SUFRAMA, 1986.

BRISSAC, S. A Estrela do Norte iluminando até o Sul: uma etnografia da União do Vegetal em um contexto urbano. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ/MN/PPGAS, 1999.

LOUREIRO, J. J. P. Cultura Amazônica: Uma poética do imaginário. Belém: Edições Cejup. 1995.

GOULART, S. 2004. Contrastes e continuidades em uma tradição amazônica: as religiões da ayahuasca. Tese de Doutorado PPGA, Unicamp, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC