PERCEPÇÃO DOS PAIS SOBRE A IMPORTÂNCIA DE ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Jair Alves Maia

Resumo


Introdução: Crescimento é um processo global, dinâmico e contínuo que ocorre em um indivíduo a partir de sua concepção, expresso sob a forma de aumento da massa corporal, e o desenvolvimento refere-se a uma transformação complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui, além do crescimento, a maturação, aprendizagem e os aspectos psíquicos e sociais da criança. Objetivo: Explicar a importância do acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento infantil de crianças de um mês a cinco anos. Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa com abordagem explicativa, desenvolvida em uma unidade básica de saúde. Conclusão: concluímos que o programa de acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil nesta unidade de saúde é realizado de forma correta, mas falta a capacitação dos profissionais, e os pais e responsáveis das crianças sabem da importância do acompanhamento mas não sabem diferenciar crescimento de desenvolvimento, e os problemas de saúde mais frequentes são: desnutrição, diarréia e doenças respiratórias.

Palavras-Chave: Saúde pública; Desenvolvimento infantil; Promoção da saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ROMANI, S. A. M; LIRA, P. I. C. Fatores determinantes do crescimento infantil. Revista Brasileira Materno Infantil. Recife (PI) 2004; Jan-Mar v. 4. Nº 1. 15 - 23. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v4n1/19978.pdf. Acesso em: 05 ago. 2017.

ANDRADE, G. P. vivências dos profissionais da atenção primária à saúde com a caderneta de saúde da criança. [Dissertação de mestrado]. Belo Horizonte (BH). Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2011. 157p. Disponível em: http://www.enf.ufmg.br/pos/defesas/681M.PDF Acesso em: 05 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília (DF); 2002. Disponível em: http://bvs.saude.gov.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento.pdf Acesso em: 05 ago. 2017.

ALVES, C.R.L. et al. Qualidade do preenchimento da caderneta de saúde e fatores associados. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro (RJ) 2009; mar 25 (3): 583 - 595. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n3/13.pdf Acesso em: 05 ago. 2017.

FIGUEIREDO, G. L. A. A prática de enfermagem na atenção à saúde da criança em uma unidade básica de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto (SP) 2003; julho - agosto; 11 (4): 544 - 51. Disponível em:

http://www.revistas.usp.br/rlae/article/viewFile/1800/1847Acesso em: 06 ago. 2017.

OLIVEIRA, V.C, CADETE, M.M. M. Anotações do enfermeiro no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Rev Acta Paul Enferm. São Paulo (SP) 2015; 22(3):301-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v22n3/a10v22n3.pdf Acesso em: 06 ago. 2017.

MONTEIRO, F. P. M; CAETANO, J. A. R. Enfermagem na saúde da criança: estudo bibliográfico acerca da avaliação nutricional. Revista da Escola de Enferm Anna Nery. Rio de Janeiro (RJ) 2010; Abr-Jun; 14 (2): 406 - 411. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/1277/127713099027.pdf Acesso em: 06 ago. 2017.

ROMANI, S.A.M; LIRA, P.I.C. Fatores determinantes do crescimento infantil. Rev. Bras. Saúde Materna Infantil. Recife (PE) 2005; Jan-Mar; 4(1): 15-23. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v4n1/19978.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

FALBO, B.C.P; ANDRADE, R.D; FURTADO, M.C.C; MELLO, D.F. Estímulo ao desenvolvimento infantil: produção do conhecimento em enfermagem. Rev Bras de Enferm. Brasília (DF) 2012 65 (1): 148 - 54. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2670/267022810022.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

OLIVEIRA, R.C, et al. Uso de chupeta e desmame precoce. Rev Saúde. Com. Bahia (BA) 2015; 11(2): 183-192. Disponível em: http://www.uesb.br/revista/rsc/v11/v11n2a09.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://www.sbp.com.br/src/uploads/2012/12/am_e_ac1.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

PAIVA, F.C.P; ARAÚJO, R.T; OLIVEIRA, Z.M. Atuação do projeto de extensão “vamos amamentar, mamãe?”, no ano de 2006. Revista Saúde.Com. Bahia (BA) 2007; 3(2): 61-69. Disponível em: http://www.uesb.br/revista/rsc/v11/v11n2a09.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

TRINDADE, A.L.J; LINHARES, E.F; ARAÚJO R.T. Aleitamento materno: conhecimentos das puérperas a respeito dessa prática. Revista Saúde.Com. da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (BA) 2008; 4(2): 123.- 133. Disponível em: http://www.uesb.br/revista/rsc/v11/v11n2a09.pdf Acesso em: 08 ago. 2017.

WHALEY, E.W.D.L. Enfermagem Pediátrica: Elementos essenciais à Intervenção Efetiva. 4. ed. Rio de Janeiro (RJ) 2000; Editora Guanabara.

VIEGAS, D. Brinquedoteca hospitalar: isto é humanização. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ), 2008.

RIBEIRO, C.A; ALMEIDA, F. A.; BORBA, R. I. H. A criança e o brinquedo no hospital. A criança, o adolescente e sua família no hospital. são Paulo: Manole; 2008.

RIBEIRO et al. O brinquedo e a assistência de enfermagem à criança. Enferm atual. 2002.

CABRAL, IE. Enfermagem Pediátrica. Rio de Janeiro (RJ): Editora Guanabara. Koogan, 2006.

ARAÚJO, L. de A. Enfermagem na prática materno-neonatal. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro (RJ), 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área de Saúde da Criança. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso – Método Mãe Canguru: manual do curso. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC