APTIDÃO FÍSICA E ESTADO NUTRICIONAL DOS INDÍGENAS KHISÊDJÊ. PARQUE INDÍGENA DO XINGU

Mario Luiz da Silva Tsutsui

Resumo


Introdução: Os níveis de aptidão física e atividade física estão intimamente relacionados com doenças crônicas não transmissíveis, mas pouco se sabe sobre esse assunto em populações indígenas do Brasil. Objetivo: Verificar a existência de associação entre a aptidão física, atividade física e o estado nutricional dos indígenas Khisêdjê, que habitam o Parque Indígena do Xingu. Método: Neste estudo transversal dispõe-se de informações sobre o estado nutricional (EN), aptidão física ou atividade física de 166 indígenas (87,4% do total) de ambos os sexos e com idade ≥ 20 anos, coletadas nos anos de 2010 e 2011. Na análise dos dados utilizaram-se porcentagens, medidas de tendência central e de dispersão, além das estatísticas qui-quadrado e o teste t de Student. Resultados: Observou-se que a maioria dos indígenas apresentou desempenho bom ou excelente nos testes de capacidade cardiorrespiratória (CC), de flexibilidade, de resistência de braço e tronco. Entretanto, no teste de impulso horizontal, apenas 1,0% dos participantes teve desempenho bom. Em relação à atividade física, 67,2% foram classificados como muito ativos ou plenamente ativos. A prevalência de sobrepeso e obesidade somaram 50,0% e a de obesidade central (OC) foi de 39,2%. Entre os homens verificaram-se associações estatisticamente significantes ente o IMC e a CC, entre a presença de OC e a atividade física. Já entre as mulheres, a presença de OC associou-se a flexibilidade. Considerações Finais: Constatou-se que apesar da alta prevalência de excesso de peso e OC os Khisêdjê possuem bons níveis de aptidão física e atividade física.

Palavras-chave: Atividade Física; Condição Nutricional; Obesidade Central; Indígenas.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

PITANGA, F. J. G. Epidemiologia da atividade física, do exercício e da saúde. 3ᵃ ed. São Paulo: Phorte editora; 2010.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Manual do ACSM para Avaliação da Aptidão Física Relacionada à Saúde. 1ᵃ ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

ALVES, U. S. Não ao sedentarismo, sim à saúde: contribuições da Educação Física escolar e dos esportes. O Mundo da Saúde 2007; 31: 464-69.

POZENA, R.; CUNHA, N. Projeto “Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária”. Saúde & Sociedade 2009; 18: 52-6.

MORETTI, A.; ALMEIDA, V.; WESRPHAL, M. F. et al. Práticas Corporais/Atividade Física e Políticas Públicas de promoção da Saúde. Saúde & Sociedade 2009; 8: 346-54.

MALTA, D. C.; CASTRO, A. M.; GOSCH, C. S. et al. A Política Nacional de promoção da Saúde e a agenda da atividade física no contexto do SUS. Epidemiologia dos Serviços de Saúde 2009; 18: 79-86.

ALVES, R. V. A; MOTA, J.; COSTA, M. C. et al. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2004; 10: 31-37.

CAMÕES, M.; LOPES, C. Fatores associados à atividade física na população portuguesa. Revista de Saúde Pública 2008; 42: 208-16.

MATSUDO, V. K. R. Exercícios acumulados funcionam? Diagnóstico e Tratamento 2005; 10: 163-65.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Recomendaciones Mundiales sobre actividad Física para La Salud; 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco para doenças crônicas por inquérito telefônico; 2011.

______. Ministério da Saúde. Análise da Estratégia Global para Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde; 2004.

______. Ministério da Saúde. Agita Brasil. Série C. Projetos, Programas e relatórios; 2002a.

______. Ministério da Saúde. Prevenção e Controle das Doenças não transmissíveis no Brasil. Série B Textos Básicos de Saúde; 2002b.

RIVERA, I.R.; DA SILVA, M. A. M.; SILVA, R. A. T. A. et al. Atividade Física, Horas de assistência à TV e Composição Corporal em crianças e adolescentes. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2010; 95: 159-65.

BARUZZI, R. G.; JUNQUEIRA, C. Parque Indígena do Xingu saúde, cultura e história. 1ᵃ ed. São Paulo: Terra Virgem; 2005.

GIMENO, S. G. A.; RODRIGUES, D; CANÓ, E. M. et al. Cardiovascular risk factors among Brazilian Karib indigenous people: Upper Xingu, Central Brazil 2000 3. J Epidemiol Community Health 2009; 63: 299-304.

GIMENO, S. G. A.; RODRIGUES, D.; PAGLIARO, H. et al. Perfil metabólico e antropométrico de índios Aruák: Mehináku, Waurá e Ywalapití, Alto Xingu, Brasil Central, 2000/2002. Cadernos de Saúde Pública 2007;23: 1946-54.

CARDOSO, A. M.; MATTOS, I. E.; KOIFMAN, R. J. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na população Guaraní-Mbyá do Estado do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública 2001; 17: 345-54.

WELCH, J. R.; FERREIRA, A. A.; SANTOS, R. V. et al. CEA. Nutrition Transition, Socioeconomic Differention, and Gender Among Adult Xavante Indians Brazilian Amazon. Human Ecology 2009; 37: 13-26.

SOUZA, L. G.; SANTOS, R. V. Perfil demográfico da população indígena Xavante de Sangradouro-Volta Grande, Mato Grosso (1993-1997), Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2001; 17: 355-65.

GULGELMIN, S. A.; SANTOS, R. V. Uso do Índice de Massa Corporal na avaliação do estado nutricional de adultos indígenas Xavánte, Terra Indígena Sangradouro-Volta Grande, Mato Grosso, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2006; 22: 1865-72.

GULGELMIN, A. S.; SANTOS, R. V. Ecologia humana e antropometria nutricional de adultos Xavánte, Mato Grosso, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2001; 17: 313-22.

KÜHL, A. M.; CORSO, A. C. T.; LEITE, M. S. et al. Perfil nutricional e fatores associados á ocorrência de desnutrição entre crianças indígenas Kaingáng da Terra Indígena de Mangueirinha, Paraná, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2009; 25: 409-20.

SOUZA, L. G.; SANTOS, R. V.; COIMBRA, J. R. CEA. Estrutura etária, natalidade e mortalidade do povo indígena Xavante de Mato Grosso, Amazônia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15: 1465-73.

FERREIRA, M. B. R. Atividade física, desenvolvimento humano e cultura o ser anthropos e a atividade física. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP 2000; 0: 1-14.

TAVARES S. Um protótipo do tipo ideal xinguano. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP 2000; 4: 44-54.

SALVO, V. L. M. A.; RODRIGUES, D.; BARUZZI, R.G., GIMENO SGA. Perfil metabólico e antropométrico dos Suyá. Parque indígena do Xingu, Brasil Central. Revista Brasileira de Epidemiologia 2009; 12: 458-68.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee. Geneva: WHO, 1995. (Technical Report Series n. 854)

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Report of WHO Consultation on Obesity. Geneva; 1997. WHO 1998.

PITANGA, F. J. G. Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física e Esportes. 3. ed. São Paulo: Phorte Editora; 2004.

POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. H. Prescrição de programas de prevenção e reabilitação – Selecionamento clínico e metodologia de avaliação. In: Pollock ML, Wilmore JH. Exercícios na saúde na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro: Medsi; 1993.

JOHNSON, B. L.; NELSON, J. K. Practical Measurements for Evaluation in Physical Education. Minnesota: Burges Publishing Company, 1979.

TUDOR-LOCKE, C.; WASHINGTON, T. L.; HART, T. L. Expected values for steps/day in special populations. Preventive Medicine 2009; 49: 3-11.

GIMENO, S. G.A.; RODRIGUES, D.; PAGLIARO, H. et al. Perfil metabólico e antropométrico de índios Aruák: Mehináku, Waurá e Ywalapití, Alto Xingu, Brasil Central, 2000/2002. Cadernos de Saúde Pública 2007; 23: 1946-54.

GIMENO, S. G. A.; RODRIGUES, D.; CANÓ, E. M. et al. Cardiovascular risk factors among Brazilian Karib indigenous people: Upper Xingu, Central Brazil 2000 3. J Epidemiol Community Health 2009; 63: 299-304.

LEITE, M. S.; SANTOS, R. V.; COIMBRA, JR. CEA. Crescimento físico e perfil nutricional da população indígena Xavánte de Sangradouro-Volta Grande, Mato Grosso, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2006; 22: 265-76.

LEAL JR, E. C. P.; SOUZA, F. B.; MAGINI, M. et al. ABL. Estudo comparativo do consumo de oxigênio e limiar anaeróbio em um teste de esforço progressivo entre atletas profissionais de futebol e futsal. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2006; 12: 323-26.

VIEIRA, N.A.; BORIN, J. P.; PADOVANI, C. R. et al. Efeito do Treinamento de Resistência de Força no Sistema Neuromuscular em Atletas de Voleibol. Revista da Faculdade de Educação Física da Unicamp 2008; 6: 84-96.

PRATI, S. R. A.; PRATI, S. R. A. Níveis de Aptidão Física e Análise de Tendências Posturais em Bailarinas Clássicas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano 2006; 8: 80-7.

BERTOLLA, F.; BARONI, B. M.; LEAL JUNIOR, E. C. P. et al. Efeito de um Programa de treinamento utilizando o Método Pilates na Flexibilidade de Atletas Juvenis de Futsal. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2007; 13: 222-26.

PEREIRA, E. F.; TEIXEIRA, C. S. Proposta de Valores Normativos para Avaliação da Aptidão Física em Militares da Aeronáutica. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte 2006; 20: 249-56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC