FATORES RELACIONADOS AO INSUCESSO CIRÚRGICO NO TRATAMENTO DE PROLAPSO UTERINO

Vittoria Batriche Pessoa, Camila da Silva Viera Amorim

Resumo


Introdução: O Prolapso de Órgão Pélvico (POP) é um problema de saúde pública que afeta mulheres em todo mundo, de várias idades. O prolapso uterino consiste em um dos tipos que o POP se apresenta e em alguns casos somente procedimentos cirúrgicos podem sanar os sintomas que acabam diminuindo a qualidade de vida das mulheres com este problema. Entretanto, estudos recentes têm demonstrado que alguns fatores físicos estão ocasionando o aparecimento do prolapso uterino a longo prazo em mulheres que já passaram por procedimentos cirúrgicos. Objetivo: Identificar os fatores que podem ocasionar o insucesso cirúrgico no tratamento de prolapso uterino. Método: Revisão integrativa da literatura na qual foram utilizados artigos em língua Portuguesa e Inglês, indexados em bancos de dados online como BVS, Scielo, Pubmed. Resultados e Discussão: Os fatores relacionados ao insucesso cirúrgico no tratamento de prolapso uterino foi a qualidade dos músculos e ligamentos pélvicos os quais são responsáveis pela sustentação dos órgãos pélvicos. Logo, mesmo com o procedimento cirúrgico, se a musculatura não estiver forte suficiente, a longo prazo o prolapso pode reincidir e a pacientes ter de passar por todo processo cirúrgico novamente. Conclusão: Os resultados obtidos através da revisão sistemática da literatura apresentados neste estudo estão de acordo com a maioria dos trabalhos publicados na literatura nacional e internacional, principalmente no que se refere ao êxito do procedimento clínico-cirúrgico e à melhora da qualidade de vida das pacientes. O estudo demonstrou que entender a doença do ponto de vista da paciente é um importante indicador da eficácia do tratamento realizado.

 

Palavras-chave: Cirurgia Pélvica. Prolapso Uterino. Saúde da Mulher. Tratamento.


Texto completo:

PDF

Referências


HADDAD, Jorge Mihem. Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), – Brasília- DF, 2015.

LIMA, Maria Inês de Miranda et al. Prolapso Genital. FEMININA, v. 40, n. 2, p.69-78, 2012

HORST, Wagner; SILVA, Silva Carl. Prolapsos de órgãos pélvicos: revisando a literatura. Arquivos Catarinenses de Medicina (ACM), v.45, n. 2, p. 91-101, 2016.

MELO, Célio Henrique de. Qualidade de vida após tratamento cirúrgico de prolapso de órgão pélvico em pacientes de ambulatório de referência no Amazonas. 2019. 94 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2019.

BRASIL. Manual MSD. Prolapso de órgãos pélvicos (POP). 2019. Disponível em < https://www.msdmanuals.com/pt-pt/casa/problemas-de-sa%C3%BAde-feminina/ prolapso-de-%C3%B3rg%C3%A3os-p%C3%A9lvicos-pop/prolapso-de-%C3%B3rg% C3%A3os-p%C3%A9lvicos-pop> Acesso em 15 de outubro de 2020.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª Ed.- São Paulo: Atlas, 2010.

PEREIRA, Ana Gilza Pinheiro. O papel da fisioterapia no prolapso uterino. Revista de Reabilitação em Ortopedia e Traumatologia da faculdade Faipe, v.8, n. 5, p. 6-18, 2017.

FALCÃO, Francisco; CARVALHO, Giselda. Cirurgia por via vaginal. Revista Catarinense de Medicina, v.23, n. 8, p. 1-30, 2017.

NESBIT, J. O De Lancey. Anatomy and biomechanics of genital prolapse. Clinical Obstetrica Obstetric Gynecol, v. 36, n. 4, p. 926-938, 2015.

SYMMONDS, R E et al. Posthysterectomy enterocele and vaginal vault prolapse. Am J Obstet Gynecol., p. 852-890, 2015.

CARRAMAO, Silvia et al. Estudo randômico da correção cirúrgica do prolapso uterino através de tela sintética de polipropileno tipo I comparando histerectomia versus preservação uterina. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 36, n. 1, p. 65-72, 2015.

ANTUNES, Felipe Marques Valentim et al. Uso de Telas de Polipropileno Recobertas para Tratamento de Prolapsos Genitais Femininos. Revista Ciências em Saúde, v2, n 3, p. 1-12, 2015.

COELHO, Victoria Monteiro; HADDAD, Cinira Assad Simão. Fisioterapia em mulheres com prolapso genital e incontinência urinária: revisão de literatura. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 17, n. 46, p. 1-9, 2020.

ACERMANN, Arnold Peter Paul et al. Correção transvaginal de prolapsos de órgãos pélvicos acentuados com preservação uterina utilizando telas sintéticas. Revista Eletrônica da Comissão de Ensino e Treinamento da SIBU, v. 5, n. 1, p. 25-28, 2018.

ARAUJO, Jenifer Emmanuelle Lopes de; SANTOS, Stephanie Susan dos; POSTO, Mônica Karina. Abordagem fisioterapêutica na reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com prolapso genital. Fisioterapia Brasil, v.21, n.4, p.388-395, 2020.

SCHULTEN, Sascha F. M. et al. Sacrospinous hysteropexy versus vaginal hysterectomy with uterosacral ligament suspension in women with uterine prolapse stage 2 or higher: observational follow-up of a multicentre randomised trial. BMJ, v. 10, n. 366, p. 1-10, 2019.

MAHER, Christopher et al. Surgery for women with apical vaginal prolapse. The Cochrane Database of Systematic Reviews, v.10, n. 12, p.1-196, 2017.

PARK, Yun Jin et al. Manchester Operation: An Effective Treatment for Uterine Prolapse Caused by True Cervical Elongation. Yonsei Medical Journal, v.60, n. 11, p.1074-1080, 2019.

KIM, Jeong Ok et al. Uterine prolapse in a primigravid woman. Obstetrics & Gynecology Science, v.59, n. 3, p. 241-244, 2016.

ABDELAZIM, Ibrahim A. Uterine suspension using I. Abdelazim sacrohysteropexy technique for treatment of uterine prolapse: Case series. Journal of Family Medicine and Primary Care, v.8, n. 1, p. 316-318, 2019.

MAHER, Christopher et al. Surgery for women with anterior compartment prolapse (Review). The Cochrane Database of Systematic Reviews, v.11, n.11, p. 1-153, 2016.

JELOVSEK, J. Eric et al. Effect of Uterosacral Ligament Suspension vs Sacrospinous Ligament Fixation With or Without Perioperative Behavioral Therapy for Pelvic Organ Vaginal Prolapse on Surgical Outcomes and Prolapse Symptoms at 5 Years in the OPTIMAL Randomized Clinical Trial. JAMA American Medical Association, v.319, n. 15, p. 1554-1565, 2018.

MADLU, Chendrimada Kaveriappa. Surgery for pelvic organ prolapse. European urology supplements. V.17, n. 3, p. 119-125, 2018.

ZACCHE, Maria Martino et al. Trends in prolapse surgery in England. International Urogynecology Journal, v. 29, n. 8, p. 1689-1695, 2018.

OLIVEIRA, Sofia Andrade de et al. Hysteropreservation versus hysterectomy in the surgical treatment of uterine prolapse: systematic review and meta-analysis. Jornal Internacional de Uroginecologia, v. 28, n. 8, p. 1617-1630, 2017.

MERIWETHER, Kate V. et al. Uterine preservation vs hysterectomy in pelvic organ prolapse surgery: a systematic review with meta-analysis and clinical practice guidelines. American Journal of Obstetrics and Gynecology, v.219, n. 18, p. 129-146, 2018.

GOURLAT, Paulo et al. Native tissue repairs in vaginal prolapse surgery – A 5‐year case series. Scipedia, v.12, n. 5, p. 129-143, 2015.

BRAZÃO JÚNIOR, Éder Silveira et al. Controvérsias com o emprego de malhas no tratamento de problemas do assoalho pélvico. Revista Peruana de Ginecologia e Obstetricia, v. 62, n. 1, p. 85-89, 2016.

ANDREZZA, Estela Isadora; Elizangela Serra. A influência do método Pilates no fortalecimento do assoalho pélvico. Revista Brasileira de Fisioterapia, v.8, n.3, 2019.

LEITE, Sinara Mônica de Oliveira et al. Reparo transperineal de retocele: avaliação do grau de satisfação, dispareunia e recidiva pós-operatória. Rev bras. colo-proctol., Rio de Janeiro, v. 29, n. 4, p. 458-465, Dec. 2009


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC