FATORES QUE DETERMINAM O DESENVOLVIMENTO DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA

Jesiane Rocha da Silva Maia, Ruth Canuto Bezerra, Andrielle Scariote, Antônio Carlos Alves Barroso

Resumo


Introdução: A Doença Inflamatória Pélvica (DIP) é uma síndrome clínica aguda resultante da ascensão de micro-organismos do trato genital inferior. Vários fatores estão relacionados ao seu desenvolvimento. Objetivo: Demonstrar os fatores que determinam o desenvolvimento da Doença Inflamatória Pélvica. Método: Trata-se de revisão integrativa da literatura, com publicações entre os anos de 2010 a 2020 nas Bases de Dados do Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System on-line (MEDLINE) e outros através da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS). Resultados: Os resultados mostram que a faixa etária acometida é de mulheres sexualmente ativas, incidência mais alta entre adolescentes, fatores socioeconômicos, culturais, múltiplos parceiros, manipulação uterina e presença de doenças sexualmente transmissíveis estão associadas à DIP. O tempo entre diagnóstico e tratamento influencia diretamente o prognóstico da paciente, aumentando ou diminuindo o risco de sequelas. Conclusão: São necessárias políticas de saúde vigentes que contribuam para o diagnóstico e tratamento precoces da Doença Inflamatória Pélvica afim de evitar futuras complicações.

Palavras-chave: Doença Inflamatória pélvica. Infecção por Neisseria Gonorrhoeae. Chlamydia trachomatis. Doenças sexualmente transmissíveis.


Texto completo:

PDF

Referências


SOBRINHO, D. B. G.; CARVALHO, B. R.; SÁNCHEZ, C. P.; Manual de Ginecologia da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília; 2ª edição, p. 183-194, 2017.

WORKOWSKI K. A.; BOLAN, G.A.; Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines: Pelvic Inflammatory Disease. CDC/MMWR Recomm Rep; v.64, n. 33, p. 78-82, 2015.

FEBRONIO, E. M.; ROSAS, G. Q.; D’IPPOLITO, G.; Doença inflamatória pélvica aguda: achados de TC e RM; Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem; v. 45, n. 6, p. 345–350, 2012.

HALBE, H. W.; CUNHA, D. C.; Doença inflamatória pélvica. Disciplina de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo; Diagnóstico e Tratamento; v. 15, n. 3, p.106-9, 2010.

SOPER, D. E.; Pelvic inflammatory disease. Obstetrics and gynecology; v. 116, n. 2, p.419-28, 2010.

FERNANDES, L. B.; ARRUDA, J. T.; APPROBATO, M. S.; GARCIA-ZAPATA, M. T. A. Infecção por Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae: fatores associados à infertilidade em mulheres atendidas em um serviço público de reprodução humana. Revista Brasileira Ginecologia Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 8, p. 353-358, 2014.

FEBRASGO- Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia; Manual de Orientação em Doenças Infectocontagiosas; 2010. < Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/images/arquivos/manuais/Manuais_Novos/Doencas-_Infectocontagiosas.pdf >. Acesso em: 14 out. 2020.

MELLO, A.T.; MOURA, S.K.; COUTO, P.T., et al. Doença inflamatória pélvica. Acta médica, 2014.

ROMANELLI, R. M. C.; LIMA, S. S. S.; VIOTTI, L. V.; CLEMENTE, W. T.; AGUIAR, R. A. L. P.; FILHO, A. L. S.; Abordagem atual da doença inflamatória pélvica. Revista Medica de Minas Gerais; v. 23, n. 3, p. 347-355, 2013.

BERNARDI, M. M.; BOTTON, L.R.; GONÇALVES, M. A. G.; Doença inflamatória pélvica e endometrite; Acta méd. (Porto Alegre); v.:37, n.6, 2016.

MIGUEL, R. L.; MILETTI, L.C.; SILVA, B. F.; Incidência de Chlamydia trachomatis detectada por PCR em amostras endocervicais de mulheres em Lages, Santa Catarina, Brasil. J Bras Patol Med Lab.; v. 56, p. 1-7, 2020.

HAGGERTY, C.L.; GOTTLIEB, S.L.; TAYLOR, B.D. et al. Risk of sequelae after Chlamydia trachomatis genital infection in women. J. Infect. Dis., [S.l.]; v.201, n. 2, p. S134-55, 2010.

BRASIL. MINISTERIO DA SAUDE. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST), 2020.

BRASIL. MINISTERIO DA SAUDE. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia do SUS- CONITEC, Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Infecções Sexualmente Transmissíveis, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC