IDENTIFICAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM SUPERFICIES DE BANCADAS LABORATORIAIS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CACOAL, RONDÔNIA

Thaylon Fernando Bonatti Figueiredo, Thais de Souza Freitas, Livia Helena Moreira da Silva Melo

Resumo


Introdução: Os laboratórios multidisciplinares nas universidades brasileiras são ambientes onde geralmente se realizam atividades de ensino, pesquisa e extensão de forma isolada ou em conjunto. Nesse contexto, pode haver a exposição das pessoas que neles trabalham, estudam e transitam pelos diferentes riscos. Objetivo: Identificar a presença de microrganismos em superfícies de bancadas em um laboratório multidisciplinar de uma Instituição de Ensino Superior. Materiais e Métodos: Foram coletadas amostras em duplicata de 02 bancadas identificadas como bancada A e B, após a rotina de limpeza do laboratório por meio da técnica do swab-teste, colocada em meio Brain Heart Infusion (BHI) e armazenados na estufa bacteriológica a 37ºC por 24 h. Posteriormente, as amostras foram semeadas pela técnica de esgotamento nos meios Ágar Sangue e Ágar MacConkey e incubadas a 37°C por 24 horas por microaerofilia. As bactérias gram-positivas foram submetidas à prova de catalase e coagulase, e as gram-negativas à identificação bioquímica. Resultados e Discussão: Foi possível verificar a presença de Staphylococcus aureus nas duas superfícies de bancadas, sendo que na Bancada A identificou-se também a espécie Pantoea agglomerans, geralmente encontrada em plantas, solo, água e alimentos, enquanto na bancada B detectou-se também a presença de Enterobacter aerogenes, espécie relacionada a grande parte das infecções oportunistas, principalmente em relação a pacientes hospitalizados. A contaminação microbiana das superfícies, onde as mãos dos estudantes de curso da área de saúde tocam, deve ser eliminada por métodos seguros, uma vez que a higienização das mãos pode ser negligenciada para que possa eliminar o ciclo da propagação dos microrganismos. Conclusão: A análise microbiológica das Bancadas presentes nos laboratórios de ensino possibilitou a identificação de microrganismos e a necessidade de demonstrar a futuros profissionais da saúde a importância da utilização de Equipamentos de Proteção Individuais, bem como melhorias nos protocolos de limpeza instaurados pelas Instituições.

 

Palavras-chave: Microbiologia. Identificação de microrganismos. Instituição de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


. BRASIL. Classificação de risco dos agentes biológicos. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

CDC - Center of Diseases Control and Prevention. Guideline for Environmental Infection Control in HealthCare Facilities: Recommendations of CDC and the Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee (HICPAC). MMWR. 2003.

RUTALA, W. A.; WEBER, D.J.; HICPAC. Guideline for disinfection and sterilization in healthcare facilities, 2008. Atlanta, GA: US Department of Health and Human Services, CDC; 2008

SANTOS. H. P. A. et al. A Importância da Biossegurança no Laboratório Clínico de Biomedicina. Revista Saúde em Foco – Edição nº11, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde. Classificação de risco dos agentes biológicos. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde. – 3. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

VICENTE, J. C. D. S. et al. (2021). Estudo observacional dos riscos ambientais em laboratório de pesquisa em Recife/PE. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(2), e5477.

WENZEL, R. P. et al. Methicillinresistence Staphylococcus aureus: Implications for the 1990s and effective control messures. The American Journal of Medicine, 1991.

MILLER, L., et al., Clinical and epidemiologic characteristics cannot distinguish community-associated methicillin-resistant Staphylococcus aureus infection from methicillin-susceptible S. aureus infection: a prospective investigation. Clin Infect Dis. 2007.

BLACK, J. G. Microbiologia, Fundamentos e Perspectivas. 4.ed. Guanabara Koogan S.A., 2016.

CARDOSO, C. L. Estudo da Flora Bacteriana das Mãos de Grupos de Populações Intra e Extra Hospitalar, do Hospital Universitário da UFRJ. [Tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ; 1986.

TORRES, A. M. et al. Contaminação por Staphylococcus aureus resistentes a oxicilina (ORSA) nos equipamentos atléticos das academias. In: Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar; 2007; Maringá, PR; 2007.

NETO, A. C.; SILVA, C. G. M.; STANFORD, T. L. M. Staphylococcus enterotoxigênicos em alimentos in natura e processados no estado de Pernambuco. Brasil. Food Sci Technol. 2002.

AZULAY, R. D.; AZULAY, D. R. Piodermites, outras infecções bacterianas da pele e rickettsioses. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1997.

TEIXEIRA, L. M., et al. Staphylococcus Aureus. In: Trabulsi LR, Altherthum F (Org). Microbiologia. São Paulo: Atheneu, 2005.

LEE, C. C., et al. Bacteremia due to Extended-Spectrum-βLactamaseproducing Enterobacter cloacae: Role of Carbapenem Therapy. Antimicrobial Agents and Chemotherapy, 2010.

PÉREZ, A., et al. Involvement of the AcrAB-TolC efflux pump in the resistance, fitness, and virulence of Enterobacter cloacae. Antimicrob Agents Chemother, 2012.

JANDA, J. M.; ABBOTT, S. L. The Enterobacteria. 2nd ed. Washington D.C.: ASM press, 411p, 2006.

BURCHARD, K. W. et al. Enterobacter bacteremia in surgical patients. Surgery, 1986.

CHOW, J. W. et al. Enterobacter bacteremia: clinical features and emergence of antibiotic resistance during therapy. Ann. intern. Med, 1991.

GALLAGHER, P. G. Enterobacter bacteremia in pediatric patients. Rev Infect Dis. 1990 Sep-Oct;12(5):808-12.

MAKI, D. G. et al. - Nationwide epidemic of septicemia caused by contaminated intravenous products. I. Epidemiologic and clinical features. Amer. J. Med., 1976.

MAKI, D. G.; MARTIN, W. T. Nationwide epidemic of septicemia caused by contaminated intravenous products. IV. Growth of microbial pathogens in fluids for intravenous infusion. J. infect. Dis., 1975.

FERREIRA, A. M. et al. Condition of cleanliness of surfaces close to patients in an intensive care unit. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011.

Marson, R. F. et al. 2016. “Use of Ozonated Water for Disinfecting Gastrointestinal Endoscopes.” Ozone: Science & Engineering 38 (5):346–51. doi:10.1080/01919512.2016.1192455.

FONSECA, P. M. M., Analysis of Damage on the Streptococcus mutans Immersed in Ozonated Water: Preliminary Study for Application as Mouth Rinse. Ozone: Science & Engineering. 2018. DOI: 10.1080/01919512.2018.1524285.

BOCCI, V. Ozone. A New Medical Drug. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer academic Publishers. 2005.

MOREIRA, L. H. et al. Effect of Ozone as Acaricide: Action of the Ozone on the Cuticle and Respiratory Spiracle of Tick Rhipicephalus sanguineus sensu lato, Ozone: Science & Engineering, 2017. DOI: 10.1080/01919512.2017.1403306.

FIGUEIREDO, T. F. B., et al. Effect of Ozone on Engorged Rhipicephalus microplus (Acari: Ixodidae) Females During the Pre-Laying Period, Ozone: Science & Engineering. 2018. https://doi.org/10.1080/01919512.2018.1533807.

CAETANO, M. H. et al. Ação antimicrobiana do gás ozônio em superfícies e na aeromicrobiota. Acta Paul Enferm. 2021;34:eAPE02712.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC