CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE SOBRE A LOGÍSTICA DE TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DOS IMUNOBIOLÓGICOS.

Jair Maia, Emerson Garajau, Nilmara Silva, Dara Maria Araújo

Resumo


Introdução: A estrutura da Rede de Frio permeia as três esferas de gestão e organiza-se em instâncias, com fluxos de armazenamento e distribuição dos imunobiológicos. Objetivo: demonstrar o conhecimento dos profissionais de saúde sobre a logística de transporte, manuseio e conservação dos imunobiológicos, dos laboratórios internacionais, nacionais e locais pelos profissionais de saúde que atuam na rede de frios. Método: Trata-se de uma revisão narrativa da literatura, utilizando-se artigos científicos que foram publicados em revistas eletrônicas, nas seguintes bases de dados: Scientific Electronic Library Online, Medical Literature Analysis and Retrieval System Online, Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde, Biblioteca Virtual em Saúde, manuais e boletim técnico da rede de frios. Resultados: Os profissionais que atuam na rede de frio e sala de vacina não têm uma formação continuada, seus conhecimentos sobre o transporte, armazenamento e conservação dos imunobiológicos são deficientes, a falta de supervisão nas salas de vacinas, a limpeza das geladeiras é ineficiente e as salas de vacinas em sua maioria são inadequadas para o funcionamento. Conclusão: Portanto, conclui-se que a falta de capacitação é um fator determinante, tendo em vista uma fragilidade no manuseio dos imunobiológicos pelos profissionais de saúde que atua na rede de frios e nas salas de vacinação, interferindo muitas vezes na qualidade do transporte, armazenamento, conservação e até mesmo na administração desses imunobiológicos. 

Palavras-chave: Vacinas. Programas de Imunização. Modelos logísticos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de rede de frio. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde (MS), 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manualredefrio4ed.pdf. Acesso em: 03 set. 2018.

OLIVEIRA, V. C. de et al. Prática da enfermagem na conservação de vacinas. Acta paulista de enfermagem. São Paulo (SP), 2009, v. 22, n. 6, p. 814-818. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?scriptsciarttext&pi10321002009000600014&iso Acesso em: 27 ago. 2018.

OLIVEIRA, V. C. de et al. A conservação de vacinas em unidades básicas de saúde de um município da região centro-oeste de Minas Gerais. Rev. Min. Enferm. Minas Gerais (MG), vol. (1) n(4): p.209-2014. 2009, Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/181. Acesso em: 27 ago. 2018.

LUNA, G. L. M. et al. Aspectos relacionados à administração e conservação de vacinas em centros de saúde no Nordeste do Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro (RJ), 2011, v. 16, n. 2, p. 513 - 521. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?scriptsS141381232011000200014&lngen&nrmiso. Acesso em: 27 ago. 2018.

RAGLIONE, D. et al. Avaliação da rede de frio para conservação de vacinas em unidades básicas de saúde das regiões Sul e Centro-Oeste do município de São Paulo em 2011-2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília 2016, v. 25, n. 1, p. 65-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script&iso. Acesso em: 27 ago. 2018.

GIL, A. C. de. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. Editora Atlas: São Paulo (SP), 2009.

HOMMA, A. et al. Atualização em vacinas, imunizações e inovação tecnológica. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 16 (2): 445 - 458, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/isdigital/is0211/pdfs/IS31(2)057.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), World Bank. State of the world’s vaccines and immunization. 3rd ed. 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/isdigital/is31(2).pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Rede de Frio do Programa Nacional de Imunizações/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – 5. ed. – Brasília, 2017. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/.pdf. Acesso em: 05 out. 2018.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Resolução RDC nº 4, de 10 de fevereiro de 2009. Ministério da Saúde, Brasília, ANVISA, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/isdigital.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

OLIVEIRA, V. C. de et al. Avaliação da qualidade de conservação de vacinas na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(9):3889-3898, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n9/1413-8123-csc-19-09-3889.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

ARANDA, C. M. S. de S.; MORAES, J. C. Rede de frio para a conservação de vacinas em unidades públicas do município de São Paulo: conhecimento e prática. Revista brasileira de Epidemiologia. São Paulo (SP), 2008; 9 (2): 172-185. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n9/119-09-3889.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

OLIVEIRA, V. C. de. et al. Conservação de vacina em unidades públicas de saúde: uma revisão integrativa. Rev. Enf. Ref. 2013, vol. serIII, n.9. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?scriptsciarttext&pidS0015&lngpt&nrmiso. Acesso em: 17/10/2018.

GUIMARÃES, T. M. R. et al. Impacto das ações de imunização pelo Programa Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2009; 25(4):868-876. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n9/1413-8123-csc-19-09-3889.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

ARAÚJO, A.C.M. Avaliação da Rede de Frio do Programa Municipal de Imunização do Distrito Sanitário IV de Recife. Revista de Atenção Primária à Saúde, 2009; 12 (3): 238-242. Disponível em: www.scielo.br/v19n9/14138123csc19093889.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

CABRAL, I. C. Avaliação da Rede de Frio local do distrito sanitário III de João Pessoa – PB. João Pessoa, 2013. (Dissertação de Mestrado), 87p. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/5114/1/arquivototal.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

MARINELLI, N. P. et al. Conhecimento dos profissionais de enfermagem em sala de vacina: análise da produção científica. São José dos Campos-SP-Brasil, Revista Univap. v. 21, n. 38, dez de 2015.

QUEIROZ, S. A. de et al. Atuação da equipe de enfermagem na sala de vacinação e suas condições de funcionamento. Rev. Rene, Fortaleza, v. 10, n. 4, p. 210-200, out. 2009. Disponível em: www.scielo.br/v19n9/1413812319093889.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

MELO, G. K. M. de et al. Aspectos relacionados à conservação de vacinas nas unidades básicas de saúde da cidade do Recife - Pernambuco. Epidemiologia Serviço de Saúde. Pernambuco, 2010, vol. 19, n.1. Disponível em: scielo.iec.gov.br/scielo.php?scriptsciarttext&pidS1679491004&lngpt&nrmiso. Acesso em: 27 out. 2018.

RIBEIRO, D. O. et al. Qualidade da conservação e armazenamento dos imunobiológicos da rede básica do Distrito Sul de Campinas. São Paulo, 2010, v. 28, n.1 p. 21-8. Disponível em: www.unip.br/presencial/comunicaca/2010pdf. Acesso em: 05 set. 2018.

FOSSA, A. et al. Conservação e administração de vacinas: a atuação da enfermagem. Saúde em Revista. Piracicaba, 2015, v. 15, n. 40, p. 85-96. Disponível em: www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.particle/view/38. Acesso em: 05 out. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC