RELAÇÕES INTERPESSOAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE DE TRABALHO.

Tamires Pereira, Maria Rozinar Bezerra, Marcela Barros

Resumo


Introdução: A relação interpessoal dos profissionais de enfermagem no ambiente de trabalho pode influenciar no seu desempenho laboral e na qualidade do cuidado prestado. Objetivo: Conhecer a percepção da equipe de enfermagem sobre as relações interpessoais e identificar como se estabelecem elas no ambiente de trabalho em duas clínicas de internação de um hospital público estadual do município de Porto Velho – Rondônia. Método: Trata-se de um estudo de caráter exploratório e descritivo, com métodos de pesquisa bibliográfica e de campo, com abordagem quali-quantitativa. Como instrumento para coleta de dados, utilizou-se um questionário contendo perguntas abertas e fechadas. Os dados coletados na parte quantitativa foram analisados de forma descritiva e expressos em tabela contendo número absoluto e porcentagem, discutidos conforme literatura científica pertinente. Para os dados qualitativos, procedeu-se à análise de conteúdo. Resultados: Participaram do estudo 33 profissionais de enfermagem, dos quais 79% técnicos de enfermagem e 21% enfermeiros. Foram referidos como fatores dificultadores principais: o descompromisso (55%) e a má vontade (24%) e,  como fatores facilitadores, 31% afirmaram a paciência, e 25% a compreensão. No que diz respeito à resolução dos conflitos, a maioria dos  participantes relataram a sua existência, mas que foram resolvidos por meio de diálogos entre a equipe de enfermagem, ou com a participação de um superior. Conclusões: É necessário enfocar na ação comunicativa durante o processo de trabalho da enfermagem para permitir um melhor relacionamento interpessoal, com autonomia de seus agentes e construção mútua de objetivos comuns entre a equipe.

Palavras-chave: Relações Interpessoais. Interação Social. Interação Interpessoal.


Texto completo:

PDF

Referências


CARDOZO, C. G.; SILVA, L. O. S.; A importância do relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Interbio, Dourados, v.8 n. 2, 2014.

FEITOSA, M. R.; MÁXIMO, A. L. P. A influência do relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho: um estudo bibliográfico. In: Semana de Iniciação Científica, 6., Juazeiro do Norte. Anais. Juazeiro do Norte: Faculdade do Juazeiro do Norte, 2015. p. 1-7.

BLANCO, B. M. et al. A importância da liderança do enfermeiro no gerenciamento das relações interpessoais entre a equipe de saúde. Journal of Reseach: Fundamental Care on Line. Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, 2013.

FERNANDES, F. C. et al. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. Revista Online de Pesquisa – Cuidado é Fundamental. Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, 2015.

SESAU. Secretaria de Estado da Saúde de Rondônia.Disponível em: http://www.rondonia.ro.gov.br/2016/01/99537/. Acesso em: 05 set. 2016.

POLIT, D. F.; BECK, C. T. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

MINAYO, M. C. de S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 12ª ed. São Paulo: Editora Hucitec/Rio de Janeiro: HUCITEC; 2010.

RIBEIRO, G. K. N. de A. et al. Profissionais de enfermagem habilitados para o mercado de trabalho em Minas Gerais. REME, Rev Min Enferm. v. 1, n. 18, p: 21-26, 2014.

RODRIGUES, I. L. et al. Facilidades e dificuldades do trabalho em terapia intensiva: um olhar da equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem. Cuidado é Fundamental, Rio de janeiro, v. 8, n. 3, p. 4757-4765, 2016.

LUNARDI FILHO, W. D.; LUNARDI, V. L.; SPRICIGO, J. O trabalho da enfermagem e a produção da subjetividade de seus trabalhadores. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2001, vol.9, n.2, pp.91-96.

BAGGIO, M. A. Relações humanas no ambiente de trabalho: o (des)cuidado de si do profissional de enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. v. 28, n. 3 2017.

SILVA, M. P. et al. Relações interpessoais no ambiente de trabalho da equipe de enfermagem: uma ação comunicativa. Mestrado em Enfermagem [dissertação]. Repositório Institucional: Universidade do Rio Grande do Norte. Natal, 2013.

PALAGI, S. et al. Relações humanas no trabalho da enfermagem: Diferenças e Semelhanças na atuação em atenção básica e no hospital. In: Seminário Internacional sobre O Trabalho na Enfermagem, 3., 2011, Bento Gonçalves. Anais... Bento Gonçalves: SITEN, . p. 254-56, 2011.

VILELA, S. de C.; CARVALHO, A. M. P.; PEDRÃO, L. J. Relação interpessoal como forma de cuidado em enfermagem nas estratégias de saúde da família. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, 2014.

MARTINS, C. C. F. et al. Relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem x estresse: Limitações para a prática. Revista Cogitare Enfermagem, Natal, v. 19, n. 2, 2014.

LIMA NETO, A. V. de et al. Relacionamento interpessoal entre a equipe de uma emergência hospitalar: um estudo qualitativo sob o olhar de enfermeiros. Enfermagem Revista, Natal, v. 18, n. 1, 2015.

FORMOZO, G. A. et al. As relações interpessoais no cuidado em saúde: uma aproximação ao problema. Rev. enferm UERJ,v. 20, n.1, 2012.

CECERE, D. B. B. et al. Compromisso ético no trabalho da enfermagem no cenário da internação hospitalar. Enfermagem em Foco, v. 1, n. 2, p. 46-50, jan. 2010.

JACONDINO, M. B. et al. Vínculos profissionais no trabalho da enfermagem: elemento importante para o cuidado. Revista Enfermaria Global, n. 34, p. 160-71, 2014.

HERNÁNDEZ-CRUZ, R. Fatores que influenciam o cuidado de enfermagem omitido em pacientes de um hospital particular. Rev. Latino-Am. Enfermagem 25:e2877, 2017;

MARTINS, C. C. F. et al. Relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem x estresse: limitações para a prática. Cogitare Enferm. v. 19, n. 2, p. 309-16, 2014.

BROCA, P. V.; FERREIRA, M. de A.. Equipe de enfermagem e comunicação: contribuições para o cuidado de enfermagem. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 65, n. 1, p. 97-103, Fev. 2012.

OLIVEIRA, A. F. L. de. Exercício da liderança dialógica: Entendimento dos enfermeiros no ambiente hospitalar. 2015. 125 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Pelotas, 2015.

SILVA, M. P. Relações interpessoais no ambiente de trabalho da equipe de enfermagem: uma ação comunicativa. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem, 2016.

PORTO, A. R. et al. Teorias de enfermagem e modelos que fortalecem a prática profissional. Revista Online de Pesquisa – Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online), v. 5, n. 5, p. 155-61, 2015.

PEIXOTO, M. K. A. V. Perspectivas para o trabalho em equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva. 2012. 115 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal de Goiás – UFG, Goiânia, 2012.

URBANETTO, J. de S.; CAPELLA, B. B. Processo de trabalho em enfermagem: gerenciamento das relações interpessoais. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 57, n. 4, p. 447-452, Aug. 2004 .

ARAÚJO, M. P. da S.; DE MEDEIROS, S. M.; QUENTAL, L. L. C. Relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem: fragilidades e fortalezas. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de janeiro, v. 24, n. 5, 2016.

NAVARRO, A. S. de S.; GUIMARÃES, R. L. de S.; GARANHARI, M L.. Trabalho em equipe: O significado atribuído por profissionais da estratégia de saúde da família. Revista Mineira de Enfermagem – REME, v. 17, n. 1, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC