REAÇÕES ADVERSAS DO N-METILGLUCAMINA APRESENTADAS DURANTE O TRATAMENTO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

Jair Maia, Mirlene Monte

Resumo


Introdução: a Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença de caráter zoonótico que acomete seres humanos e diversas espécies de animais silvestres e domésticos, podendo se manifestar através de diferentes formas clínicas. Objetivo: descrever as reações adversas mais comuns do antimoniato de N-metilglucamina, utilizado no tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), em uma unidade de saúde da atenção primária de Rio Branco Acre. Método: trata-se de um estudo de coorte observacional, descritiva, exploratória, básica de abordagem quantitativa. Resultados: (95%) das administrações do antimoniato de N-metilglucamina duraram 5 minutos para serem infundidas, (42%) dos pacientes apresentaram dores musculares leves, (38%) apresentaram dores articulares leves, (6%) apresentaram dor abdominal e alergias leves, (3%) cefaleia leve e (1%) apresentou mal-estar, dispneia, erupção cutânea, edema facial e convulsões. Conclusão: a maioria das administrações do N-metilglucamina seguiu o protocolo do Ministério da Saúde, que recomenda o tempo mínimo de 5 minutos de infusão da droga, e as reações adversas mais comuns ao N-metilglucamina apresentadas nos pacientes em tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana foram: dores musculares, dores nas articulações, dores abdominais, alergias e cefaleia.

Palavras-chave:Terapia. Tratamento farmacológico. Reações adversas.


Texto completo:

PDF

Referências


NEVES, D. P.; Parasitologia humana. – 12. Ed. – São Paulo (SP): Editora Atheneu, 2011. p. 49 - 65. Capítulo 8.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Monitoring and evaluation tool kit for indoor residual spraying. Kala-azar elimination in Bangladesh, India and Nepal. WHO, 2010. 55p. Disponível em: https://www.who.int/tdr/publications/documents/irstoolkit.pdf. Acesso em: 20 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Recomendações para diagnóstico, tratamento e acompanhamento de pacientes com a co-infecção leishmania - HIV. – 1. Ed. rev. e ampl. – Brasília (DF); 2015. 109p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manualrecomendacoesdiagnosticoleis.pdf Acesso em: 20 dez. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde (MS). Sistema nacional de vigilância em saúde. Relatório de situação. Acre / Secretaria de Vigilância em Saúde. [Manual na internet]. Brasília (DF); 2011. – 5. ed. 35p. Acesso em 20/12/2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/sistemanacionalvigilanciasaudeac5ed.pdf.

OLIVEIRA, A. C. M. de. Caracterização epidemiológica da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Rio Branco-Acre no período de 2000 a 2008. Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2011.

MURBACK, N. D. N. et al. Tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana. Anais Brasileiro de Dermatologia. Mato grosso do Sul, 2007. 82 (2): 111-24. Acesso em 20 de dez. de 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abd/v86n1/v86n1a07.pdf

RIBEIRO, M. N. et al. Factors associated to adherence to different treatment schemes with meglumine antimoniate in a clinical trial for cutaneous leishmaniasis. São Paulo (SP) 2014. Rev. Inst. Med. Trop. July-August; 56(4):291-96.

ESSER, M. A. M. da S. Perfil dos profissionais de enfermagem que atuam em maternidades em Londrina,PR. Revista Eletrônica de Enfermagem , v. 14(1), p. 133-141, 2012.. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n1/v14n1a15.htm. Acesso em: 26 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. – 2. ed. atual., 3. Reimpr. – Brasília, 2013. 180 p. disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/publicacoes/manualvigilancialta2edicao.pdf. Acesso em: 10 jan, 2018.

AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Glucantime (antimoniato de meglumina) Sanofi-Aventis Farmacêutica. Brasilia, 2015. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/bula/frmVisualizarBula.asp. Acesso em: 28 fev. 2018.

NAVAES, F. A.; NICOLE, S. C. L. Clinical Picture of Cutaneous Leishmaniases Due to México. Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Vol. 96(2): 163-167, February 2001 Disponível em: http://www.scielo.br/readcube/epdf.php? Acesso em: 28 fev. 2018.

NAVAES, F. A.; NICOLE, S. C. L. Risk factors associated with CL infection and disease in the State of Campeche, Yucatan Peninsula. In P Wijeyaratne, T Goodman, Leishmaniasis Control Strategies. A Critical Evaluation of IDRC-supported Research, Internacional Development Research. Vol. 96(2): 163-167, February 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/readcube/epdf.php. Acesso em: 28 fev. 2018.

MARSDEN, P. D. Pentavalent antimonials: old drugs for new diseases. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 18(3): 18(3): 187-198, Jul-Set, 3013. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/efab/fe25374df4e5543db2762c4577e1c676697e.pdf. Acesso em: 20 mai. 2018.

BERMAN, W. D. de. Human leishmaniasis: Clinical, diagnostic and chemotherapeutic development in the last 10 years. Clinical Infectious Diseases. Rev. Soc. Bras. de Med. Trop. 36:295-298, mar-abr, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v36n2/a13v36n2.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.

BERMAN, J. C. da. Aminosidine (paramomycin) versus sodium stibogluconate for the treatment of american cutaneous leishmaniasis. Rev. Soc. Bras. de Med. Trop.. Mar-abr, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v36n2/a13v36n2.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA). – 2. ed. – Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde (MS), 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manualvigilancialeishmaniose2ed.pdf. Acesso em: 02 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de recomendações para diagnóstico, tratamento e acompanhamento de pacientes com a coinfecção leishmania - HIV. [Manual na internet].– 1. ed., rev. e ampl. – Brasília (DF); 2015. 109p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/manualrecomendacoesdiagnosticoleishmaniahiv.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Situação da prevenção e controle das doenças transmissíveis no Brasil. Uma análise da Situação de Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. [Manual na internet Brasília (DF); 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/partes/saudebrasil2004capitulo6.pdf. ]. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. [Manual na internet].; Brasília (DF); 2007. – 2. ed. atual. 182p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manualvigilancialeishmaniose2ed.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Manual de Controle da Leishmaniose Tegumentar Americana / Organização: Gerência Técnica de Doenças Transmitidas por Vetores e Antropozoonoses. - Coordenação de Vigilância Epidemiológica - Centro Nacional de Epidemiologia. Fundação Nacional de Saúde. [Manual na internet]; Brasília (DF); 2000. 62p. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/zoonosesintoxicacoes/leishmaniose.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Plano Nacional de Saúde – PNS: 2012-2015 / Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. [Manual na internet]. Brasília (DF), 2011. 114 p. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/planonacionalsaude 2015.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC