TIPO DE ALIMENTAÇÃO CONSUMIDA ENTRE CRIANÇAS DE 2 A 4 ANOS NO ESTADO DO ACRE, ATRAVÉS DO SISVAN WEB

Italo Oliveira, Tereza Cabanela, Lucas Silva, Ruth Costa

Resumo


Introdução: Os hábitos alimentares inadequados acarretam problemas de saúde imediatos e também em longo prazo. Em contrapartida, ter uma alimentação saudável é essencial para o crescimento, desenvolvimento e manutenção da saúde principalmente entre as crianças. O entendimento sobre as preferências alimentares é essencial para uma interferência efetiva, no sentido de melhorar a qualidade da ingestão dietética infantil. Objetivo: Identificar o tipo de alimentação consumida entre crianças de 2 a 4 anos no estado do Acre através do sistema de informação SISVAN Web. Método: Trata-se de um estudo descritivo, de corte transversal, onde foram analisados dados secundários oriundos do SISVAN Web do ano de 2016 no estado do Acre. Resultados: Foram avaliadas 640 crianças cadastradas no sistema; destas a maioria, 335 (52,0%) consumiam bebidas adoçadas, 346 (55,0%) tinham o hábito de consumir macarrão instantâneo e salgadinho de pacote. Um fato positivo evidenciado foi que 391 (58,0%) não tinham o hábito de consumir biscoitos recheados, doces ou guloseimas e 386 (60,0%) consumiam frutas todos os dias. No entanto a maior parte delas 360 (56,0%) não consumiam verduras e legumes. Dentre os municípios avaliados, as crianças dos municípios de Rodrigues Alves e Marechal Thaumaturgo se destacaram como as que mais consumem alimentos industrializados. Conclusão: O consumo alimentar das crianças, em sua maioria, encontra-se inadequado tendo em vista que a maioria dos alimentos consumidos são ultraprocessados, o que pode levar ao desenvolvimento de futuras complicações, no entanto foi identificado fator positivo pelo consumo de frutas, o que pode ser benéfico em muitos casos. Sendo assim é necessária a implementação de políticas públicas mais efetivas voltadas a esse público-alvo com o intuito de mudar esse quadro e assim garantir a essas crianças o crescimento e desenvolvimento saudáveis.

Palavras-chave: Comportamento Alimentar. Criança. Ingestão de Alimentos.


Texto completo:

PDF

Referências


.BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde da Criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, n. 33. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

LEAL, K. K. et al. Qualidade da dieta de pré-escolares de 2 a 5 anos residentes na área urbana da cidade de Pelotas, RS. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 33, n.3, 2015 Disponível em:. Acesso em: 27 fev. 2017.

BORTOLINI, G. A.; GUBERT, M. B.; SANTOS, L. M. P.. Consumo alimentar entre crianças brasileiras com idade de 6 a 59 meses. Caderno de Saúde Pública, Rio de janeiro, v. 28, n. 9, 2012. Disponível em:. Acesso em: 27 fev. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde.Portal Brasil: Levantamento da analisa hábitos alimentares dos brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde. Brasil estabiliza taxas de sobrepeso e obesidade. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

FERREIRA, C. S.; CHERCHIGLIA, M. L.; CÉSAR, C. C. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional como instrumento de monitoramento da Estratégia Nacional para alimentação Complementar saudável. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v.13, n.2, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292013000200010〈=pt>. Acessem em: 27 fev. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e nutricional – SISVAN: Orientações básicas para a coleta, o processamento, a análise de dados e a informação, em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

HINNIG, P. de F.; BERGAMASCHI, D. P. Itens alimentares no consumo alimentar de crianças de 7 a 10 anos*. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.15, n.2, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v15n2/10.pdf >. Acesso em: 17 maio 2017.

LONGO-SILVA, G. et al. Introdução de refrigerantes e sucos industrializados na dieta de lactentes que frequentam creches públicas. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 33, n.1, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 abril 2017

SOARES, L. D.; PETROSKI, E. L. Prevalência, fatores etiológicos e tratamento da obesidade infantil. Data da publicação: 2003. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 5, n. 1, p. 63-74, 2003. Acesso em 22 nov. 2016

ESTIMA, C. C. P. et al. Consumo de bebidas e refrigerantes por adolescentes de uma escola pública. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 29, n,1, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822011000100007>. Acesso em: 29 abr. 2017.

PATRIOTA, P. Alimentos Ultra processados: Como afetam a saúde. Disponível em: http://www.cren.org.br/blog/2018/05/17/alimentos-ultraprocessados/; Acesso em: 01 jun. 2019.

TOLONI, M. H. de A. et al. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Revista de Nutrição, Campinas, v. 24, n. 1, 2011. Disponível em: Acesso em: 15 mai. 2017.

KARNOPP, E. V. N. et al. Consumo alimentar de crianças menores de seis anos conforme o grau de processamentos. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 93, n. 01, p. 70 - 78. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jped/v93n1/pt_0021-7557-jped-93-01-0070.pdf > Acesso em: 10 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para avaliação de marcadores de consumo alimentar na atenção básica – Ministério da Saúde, Secretária de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2015

MUNIZ, L. C. et al. Prevalência e fatores associados ao consumo de frutas, legumes e verduras entre adolescentes de escolas públicas de Caruaru, PE. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000200011>. Acesso em: 20 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2017.

ALVES, M. N.; MUNIZ, L. C.; VIEIRA, M. de F. A. Consumo alimentar entre crianças brasileiras de dois a cinco anos de idade: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) 2006. Ciências & Saúde Coletiva, v. 18, n. 11, 2013. Disponível em:. Acesso em: 30 abr. 2017.

ALVES, M. N.; MUNIZ, L. C.; VIEIRA, M. de F. A. Food intake among Brazilian children aged two to five years old: National Survey on Demography and Health (NSDH), 2006. Ciencia & saude coletiva, v. 18, n. 11, p. 3369-3377, 2013.

MACEDO, É. M. C. de et al. Efeitos da deficiência de cobre, zinco e magnésio sobre o sistema imune de crianças com desnutrição grave. Rev. paul. pediatr. v. 28, n. 3, p. 329-336, Sept. 2010.

CAGLIARI, M. P. P. et al. Consumo alimentar, antropometria e morbidade em pré-escolares de creche públicas de Campina Grande, Paraíba. Nutrire. v. 34(Supl. 1), p. 29-43. 2009


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC