Prevalência de epicondilite lateral em tenistas amadores e profissionais no município de Rio Branco - Acre

Antonio Pinheiro, Suzy Pinheiro, Janimar Sousa, Patricia Martinelli

Resumo


Introdução: A maior parte dos tenistas amadores e profissionais não seguem uma programação e preparação física de um profissional altamente qualificado, o que os tornam expostos a futuras lesões, dentre as mais comuns a Epicondilite Lateral (EL). Objetivo: Analisar a prevalência de EL em tenistas amadores e profissionais que atuam e residem no município de Rio Branco/AC. Método: A presente pesquisa caracteriza-se como descritiva transversal por meio de inquéritos retirados e validados da literatura que envolveu 46 jogadores de tênis de campo com idade superior a 18 anos, captados nos locais da cidade que oferecem esta prática esportiva. Resultados: A população de atletas pesquisados foi em sua totalidade do sexo masculino. Dos entrevistados, 74,0% apresentavam idade inferior a 40 anos e mais da metade com sobrepeso (54,4%). A prevalência de epicondilite lateral foi de 11,0%; destes 100% realizavam backhand somente com uma mão, 60,0% utilizavam raquetes da marca babolat e jogavam com tensão nas cordas maior ou igual a 56 libras. Conclusão: Análises dos dados coletados permitiram concluir que os tenistas que não recebem orientação profissional estão expostos a grandes riscos de lesões.

Palavras-Chave: Cotovelo de Tenista; Fisioterapia; Estudos transversais.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC