MÉTODO CANGURU: O PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM

Elicássia Thayná da Silva Carvalho, Fabiula Souza Maia, Ruth Silva Lima da Costa

Resumo


Introdução: O método canguru constitui-se em um tipo de assistência neonatal que prevê o contato pele a pele em tempo mais imediato possível, entre a mãe, pai, familiar significativo e o recém-nascido prematuro e/ou de baixo peso, visando diminuir o índice de mortalidade neonatal. Objetivo: Identificar o papel do enfermeiro frente aos cuidados mediante ao método canguru. Método: Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura, a partir de publicações científicas de enfermagem indexadas na base de dados do Scientific Eletronic Library Online (SCIELO) e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) entre 2006 e 2017. Seguindo os critérios de inclusão, totalizaram-se 24 estudos selecionados para análise dos resultados. Resultados: O método canguru é de capaz de promover autonomia aos pais ante os cuidados com o recém-nascido prematuro e a melhora na sua condição clínica, além de potencializar o vínculo afetivo entre ambos. O papel do enfermeiro frente à utilização do método é muito importante, uma vez que ele é responsável por orientar e acompanhar a família sobre os primeiros cuidados com o recém-nascido. Os enfermeiros encontram algumas dificuldades na aplicação do método, principalmente no que se refere à inadequação da rotina hospitalar para o seu uso, a política institucional, a falta de interesse de alguns profissionais para a implantação desse método de assistência, além da escassez de recursos físicos e a falta de infraestrutura nas unidades de saúde que comprometem a efetivação do uso do método canguru. Conclusão: Conclui-se que o papel do enfermeiro é de fundamental importância para o sucesso do método canguru nas unidades de saúde, entretanto, os desafios ainda são muitos.Palavras-chave:  Método Canguru. Cuidados de Enfermagem. Recém-Nascido Prematuro

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém‑nascido de baixo peso: Método Canguru: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2ª. ed., 1. reimpr. – Brasília, 2013.

NEVES, P. N.; RAVELLI, A. P. X.; LEMOS, J. R. D. Atenção humanizada ao recém nascido de baixo peso (método mãe canguru): percepções de puérperas. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre, vol.31, n.1, mar. 2010.

PINTO, E. B. O desenvolvimento do comportamento do bebê prematuro no primeiro ano de vida. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, vol.22, n.1. 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília 2011.

SILVA, E. N. S. F.; SANTOS, M. C.; da SILVA, R. C. V. Artigo apresentado a Bahiana- Pós Graduação pesquisa e extensão, como requisito parcial para obtenção do Curso de Especialização em Obstetrícia. Método canguru em recém-nascidos prematuros: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento. 2015.

CABRAL, I. E.; RODRIGUES, E. C. O método mãe canguru em uma maternidade do Rio de Janeiro 2000- 2002: necessidades da criança e demanda de educação em saúde para os pais. BVS. Rio de Janeiro- RJ. 2006.

MAIA, J. A. et al. Método Canguru: a importância da família na recuperação do recém-nascido de baixo peso. Enfermagem em Foco, Rio Branco, v.2, n.4, pg 231-234. 2011.

SOUZA, L. P. S. et al. Método Mãe Canguru: Percepção da equipe de enfermagem na promoção a saúde do neonato. Revista Brasileira de Promoção a Saúde. Montes Claros, MG, 2014.

PARISI, T. C. H.; COELHO, E. R. B.; MELLEIRO, M. M. Implantação do Método Mãe- Caguru na percepção de enfermeiras de um hospital universitário. ACTA. São Paulo- SP, 2008.

MANTELLI, G. V. et al. Método canguru: percepções da equipe de enfermagem em terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM, Porto Alegre, v.7, n.1, p. 51-60, Jan/Fev. 2017.

ARIVABENE, J. C.; TYRRELL, M. A. R. Método mãe canguru: vivências maternas e contribuições para a enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n.2, mar-abr, 2010.

COSTA, R.; MONTICELLI, M. Método Mãe-Canguru. Acta Paulista Enfermagem, Santa Catarina, v.18, n.4, p. 427-33, 2015.

SILVA, A. R. E.; GARCIA, P. N.; GUARIGLIA, D. A. Método canguru e os benefícios para o recém-nascido. Revista Hórus, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 1-10, 2013.

CAMPOS et al. Vivência no método mãe canguru: percepção da mãe. Rev. Rene. Fortaleza, v. 9, n. 3, p. 28-36, jul./set. 2008.

SANTANA, J. C. B. et al. Método mãe canguru e suas implicações na assistência: percepção da equipe de enfermagem. Rev. Enfermagem Revista, v. 16. n.1. jan./abr. 2013.

ELEUTÉRIO, F. R. R. et al O imaginário das mães sobre a vivência no método mãe-canguru. Ciência Cuidado Saúde, v.7, n.4, p.439-446, out/dez. 2008.

GUIMARÃES, G. P.; MONTICELLI, M. A formação do apego pais/recém-nascido pré-termo e/ou de baixo peso no método mãe-canguru: uma contribuição da enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.16, n.4, p.626-35, out/dez, 2007.

SILVA, L. J. et al. A adesão das enfermeiras ao Método Canguru: subsídios para a gerência do cuidado de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.23, n.3, p.483-490, maio/jun. 2015.

GOMES, J. A. T. S; MARTINS, M. J. L.; HERTEL, V. L. Método mãe canguru: percepção da equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem do Vale do Paraíba, Lorena, n. 07, Agos./Dez., 2015.

MARTINS, A. C.; MARTINS, M. F. L.; VAZ, M. J. R. Percepção de enfermeiras sobre o Método Mãe Canguru. Redalyc, [online], v. 4, n. 16, p.109-112, jul. 2007.

HECK, et al. Compreensão do sentimento materno na vivência no método canguru. Rev Enferm UFSM, Jan./Mar, v. 6, n. 1, p.71-83. 2016.

ARAÚJO, P. M.; REZENDE, G. Pinho. Método mãe canguru e a assistência de enfermagem ao recém-nascido de baixo peso. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 5, n. 2, ago. 2017. ISSN 2525-359. Disponível em: . Acesso em: 27/05/2018.

BORCK, M.; SANTOS, E. K. A. Método canguru: práticas investigativas e de cuidado de enfermagem no modelo de adaptação de roy. Esc Anna Nery (impr.) abr-jun; v.16, n.2, p. 263-269. 2012.

OLIVEIRA, S. J. G. S. et al. Assistência humanizada no período perinatal com a utilização do método canguru: uma revisão bibliográfica. Ciências Biológicas e da Saúde, Aracaju. v. 2; n.2 p.79-91, out 2014.

DUTRA, A. K. R.; FLAUSINO, B. L. C.; SILVA, D. C. Capacitação humanizada de enfermagem frente aos cuidados neonatais no vínculo binômio mãe-filho. Revista Fasem Ciências, v. 9, n. 1, jan.-jul./2016.

SANTOS, P. F.; SILVA, J. B.; OLIVEIRA, A. S. Percepção da enfermagem sobre o método mãe-canguru: revisão integrativa. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde. Salvador, v. 6, n. 6, p. 69-79, jul./dez. 2017.

MEIRA, E. A. et al. Método Canguru: a visão do enfermeiro. Rev Inst Ciênc Saúde, v.26, n.1, p.21-26, 2008.

OLIVEIRA, G. G. R. et al. Implantação do método canguru em um hospital universitário de alagoas: um relato de experiência de enfermeiros, GEP NEWS, Maceió, v.1, n.1, p.225-230, jan./mar. 2018.

OLIVEIRA, N. Á.; CARMO, T. M. D.; GOULART, M. J. P. A enfermagem vivenciando a percepção dos pais sobre o método canguru. Ciência et Praxis, v. 3, n. 5, 2010.

FREIRE, et al. Método canguru como subsídio para a assistência humanizada ao neonato e família: revisão integrativa. Rev enferm UFPE, Recife, v.8, n.10, p. 3461-72, out., 2014.

MONTANHOLI, L. L; MERIGHI, M. A. B.; JESUS, M. C. P. Atuação da enfermeira na unidade de terapia intensiva neonatal: entre o ideal, o real e o possível. Rev. Latino-Am. Enfermagem, mar-abr, v.19, n.2. 2011.

FREITAS, J. O.; CAMARGO, C. L. Discutindo o cuidado ao recém-nascido e sua família no método mãe-canguru. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. [online]. vol.16, n. 2. pp. 88-95. 2006

GOULART, M. J. P. "A enfermagem vivenciando a percepção dos pais sobre o método canguru." Ciência ET Praxis, v.3, n.5, p. 29-34, 2010.

MARTINS, E. L. et al. Oferta de aleitamento materno para recém-nascidos de baixo peso após a alta hospitalar. Cogitare Enferm [Internet]. citado 2018 junho 11], v.18, n. 2, p. 222-29. 2013

SÁ, F. E. et al. Relações interpessoais entre os profissionais e as mães de prematuros da unidade canguru. Rev Bras Promoção Saúde. v.23, n.2, p.144-9, 2010

ARAUJO, L. A.; REIS, A. T. Enfermagem na Prática Materno-Neonatal. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. p. 133, 2014.

SANCHES, M. T. C. et al. Método Canguru no Brasil: 15 anos de política pública. Temas em Saúde Coletiva, n.19. São Paulo: Instituto de Saúde, 2015.

BORCK, M. et al. Interdisciplinaridade na atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso em um centro de referência nacional do método canguru. Holos, v. 31, n. 3, p. 404- 14, 2015.

SCHMIDT, K. T. Recém-nascidos prematuros e a alta hospitalar: uma revisão

integrativa sobre a atuação da enfermagem. Rev Rene, Fortaleza, out/dez; v. 12, n.4, p.849-58. 2011.

SANTOS, M. H; FILHO, F. M. A. Benefícios do método mãe canguru em recém-nascidos pré-termo ou baixo peso: uma revisão da literatura. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 14, n. 1, p. 67-76, jan./jun. 2016.

GONTIJO, T. L.; XAVIER, C. C.; FREITAS, M. I. F. Avaliação da implantação do método canguru por gestores, profissionais e mães de recém-nascidos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 5, p. 935-944, maio. 2012.

SANTOS, L. M. et al Percepção materna sobre o contato pele a pele com o prematuro através da posição canguru. Rev Pesqui Cuid Fundam. v.5, n. 1, p. 3504- 14, 2013.

BRASIL, Ministério da Saúde. Atenção á saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

COLAMEO, A. J.; REA, M. F. O método mãe canguru em hospitais públicos do Estado de São Paulo, Brasil: uma análise do processo de implantação. Cad Saúde Pública [Internet]. Mar, v.22, n.3, p.597-607, 2006.

HIGMAN, W.; SHAW, K. Compreensão sobre a prestação de cuidados centrados na família na unidade neonatal. J. Enfermagem Neonatal, v.14, n.6, p.193-8. 2008.

STANISZEWSKA, S. et al. O desenvolvimento de um modelo de atenção centrada na família para unidades neonatais. Visões do mundo baseada em evidência de enfermagem. v.9, n.4, p.243-55. 2012.

NUNES B. K, TOMA E. Avaliação de uma equipe de enfermagem da unidade neonatal: Aplicação do Escore de Atividades de Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v.21, n.1, p.348-55. 2013.

CARDOSO, S. N. M. et al. Desafios e estratégias das enfermeiras na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Rene] v.11, n.4, p.76-84, Out-Dez, 2010. Disponível em: http://www.revistarene. ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/426/pdf. Acesso em: 06 jun. 2018


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC