HANSENÍASE E A ADOLESCÊNCIA

Mediã Barbosa Figueiredo, Ingridy Santos da Silva, Tainah do Nascimento Vieira

Resumo


Introdução: A Hanseníase é uma doença milenar, causada pelo Mycobacterium leprae, que acomete a população em todas as faixas etárias, sendo mais comum em adultos e a ocorrência de casos em crianças é menos frequente. Apesar da adoção de medidas de controle, ainda se constitui como um grave problema de saúde pública, além de persistir como doença de estigmas e de exclusão social. Objetivo: Identificar a percepção de adolescentes em tratamento de hanseníase sobre a doença para conhecer o impacto psicossocial ocasionado por ela durante esse período. Método: Trata-se de estudo de revisão narrativa sobre hanseníase, usando as ferramentas de busca BVS, PubMed, LILACS, utilizando os descritores hanseníase, lepra, adolescência, preconceito e estigma. Resultados: Hanseníase é uma doença estigmatizante, de grande potencial incapacitante, que pode interferir na formação de vida dos adolescentes, ocasionando sentimentos de negação, medo, raiva, dor e tristeza, por estes estarem numa fase de mudanças e de adaptações. Conclusão: a carência de conhecimento sobre a doença, o tratamento e a cura, favorecem a manutenção do preconceito e estigma criado em torno da hanseníase, causando exclusão social. Uma sociedade informada contribuirá para a redução da exclusão social dos jovens portadores de hanseníase. 

Palavras-chave: Doença de Hansen. Preconceito. Estigma.  


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase, verminose e tracoma tem cura: logico. Brasília, n 21, v.47, 2016.

OLIVEIRA, D. F. Perfil dos Portadores de Hanseníase na Atenção Primária: uma revisão narrativa. TCC. Faculdade de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Governador Valadares, Minas Gerais 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia prático sobre a hanseníase. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 68 p. Disponivel em: . Acesso em: 18 ago. 2018.

MIRANDA, F. P.; SANTOS, S. D.; SOUZA, M. G.; SANTOS, E. O. Hanseníase em menores de 15 anos em Salvador-Bahia. Repositório Institucional UFBA. Salvador Bahia, 2014. Disponível em: < http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/16343>. Acesso em: 12 out. 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Politicas de Saúde. Departamento da Atenção Básica. Área Técnica de dermatologia. Atividades de controle e manual de procedimentos. Brasília, 2001.

LANA, F. C. F. et al. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 60, n. 6, p. 696-700, dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual do ministério da saúde: Hanseníase no Brasil. Dados e indicadores selecionados, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual do ministério da saúde: hanseníase, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

NERY, J.A.D.C; GUSMÃO, M.B.N; FIGUEIREDO, L.T. Manuseio do eritema nodoso em pacientes pediátricos. Pediatria Moderna. São Paulo, v. 49; 30-5. 2013.

SILVEIRA, M. G. B.. Portador de hanseníase: impacto psicológico do diagnóstico. Psicologia & Sociedade, 2014. 26(2), 517-527. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2017.

CRUZ, F. L. C. da. Representações sócias de adolescentes sobre a hanseníase. Programa de Pós-graduação em enfermagem da Universidade Federal do Maranhão. São Luiz: 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2017.

FREITAS, C. A. S. L. et al. Consulta de enfermagem ao portador de Hanseníase no Território da Estratégia da Saúde da família: percepções de enfermeiro e pacientes. Revista Brasileira Enfermagem, Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2017.

MATTOS, de C. P., Tipos de Revisão de Literatura, USP, Botucatu, São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2017.

Magalhães, A. W. D.; Franco, J. M.; Brito, V. F. de et al., Hanseníase em crianças e adolescentes: atualidade no Brasil. Anais do CBMF 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2017.

BRASIL. DATASUS. Informações em saúde hanseníase. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2017.

PONTE, K. M. de A.; NETO, F. R. G. X. Hanseníase: a realidade do ser adolescente. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 58, n. 3, p. 296-3 01, Jun, 2005. Disponível em: < www.scielo.br/reben >. Acesso em: 29 mai. 2017.

LOURES, L. F. et al. Percepção do estigma e repercussões sociais em indivíduos com hanseníase. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 2, n. 4, p. 665-675, out./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2017.

MAIA, J. A.; RÊGO, W. R. de S.; CELESTINO, J. T; et al. Hanseníase: estigmas e preconceitos defrontados pelos internos da casa de acolhida Souza Araújo no Município de Rio Branco. Nursing. São Paulo; 14(166): 164-170, mar. 2012.

SOUZA, E. B; NEVES, T.V.; DINIZ, A.P.M.; et al. Percepções da doença e do tratamento pelos os pacientes tratados de hanseníase residentes em Palmas-Tocantins. Hansenologia Internationalis. 2013; 38(1-2) 56-60. Disponível em: < http://www.ilsl.br/revista> Acesso em: 17 out. 2017.

MARINHO, F.D; MACEDO, D.C.F; SIME, M.M. et al. Percepções e sentimentos diante do diagnóstico, preconceito e participação social de pessoas acometidas pela hanseníase. Arquivos de Ciências da Saúde, jul-Set; 21(3) 46-52. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

FIGUEREDO, A. P. P. Hanseníase: do isolamento familiar ao social. Trabalho de conclusão de curso (Psicologia). Fundação UNIRG. Centro Universitário UNIRG, Gurupi-TO, 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 de ago. 2017.

LANA, F. C. F. O estigma em hanseníase e sua relação com as ações de controle. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria. 4(3):556-565. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2017.

CID, R. D. de S. et al. Percepção de usuários sobre o preconceito da hanseníase. CEARÁ. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 mai. 2017.

NETO, P. T. L. F. et al. Avaliação dos sintomas emocionais e comportamentais em crianças portadores de dermatite atópica. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. 27(3):279-291 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC