PERCEPÇÃO DE RISCO DE ADOLESCENTES ESCOLARES EM RELAÇÃO ÀS INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS EM DUAS ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DO ACRE

Ruth Silva Lima da Costa, Wingley Bortolini da Silva, Kellen Jésseny Oliveira do Nascimento

Resumo


Introdução: A adolescência é uma fase da vida marcada por profundas transformações anatômicas, fisiológicas e psicossociais, muitas vezes levando a condições de vulnerabilidade para as infecções sexualmente transmissíveis que hoje são consideradas uma epidemia mundial e um grave problema de saúde pública. Objetivo: Identificar a percepção de risco de adolescentes escolares em relação às Infecções Sexualmente Transmissíveis em duas escolas de ensino médio do Acre. Método: Trata-se de um estudo transversal, de dados primários, de abordagem quali-quanti de natureza básica, desenvolvido junto a adolescentes estudantes do ensino médio de duas escolas do Acre. Resultados: Os resultados apontam que 10 (67%) das adolescentes da escola privada ainda não haviam iniciado a vida sexual contra 7 (47%) das adolescentes da escola privada, fator esse que as torna menos vulneráveis às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). O estudo mostra ainda que os adolescentes do sexo masculino começam a atividade sexual mais precocemente que o sexo feminino de ambas as escolas, além do que eles demonstraram ter conhecimento sobre as formas de contágio e prevenção das ISTs, porém os adolescentes  da escola privada demonstraram uma concepção mais coerente com o preconizado pelo Ministério da saúde, sendo que as meninas de ambas as escolas apresentaram uma melhor percepção sobre formas de contágio e conhecimentos sobre essas infecções. Quanto ao comportamento de risco, os adolescentes do sexo masculino de ambas as escolas possuem atitudes mais propícias à contaminação das ISTs, devido ao fato de possuírem mais parceiros sexuais e demonstrarem ter menos conhecimento sobre as Infecções bem como sobre suas formas de prevenção. Conclusão: Conclui-se ser necessário que haja olhar mais adequado sobre a prevenção e assistência da saúde voltadas para os adolescentes dentro dessa temática, através de ações educativas e preventivas que sensibilizem e modifiquem as condutas para a ampliação dos seus conhecimentos e assim contribuir para desenvolverem uma melhor concepção e menos atitudes vulneráveis em relação às ISTs.

 

Palavras-chave: Vulnerabilidade. Adolescentes. Infecções Sexualmente Transmissíveis.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais. Pesquisa de conhecimento, atitudes e práticas na população brasileira. 126p, 2011a.

COATES, V; BEZNOS, G.W; FRANÇOSO, L. Medicina do Adolescente. 2 ed. São Paulo: Sarvier, 2003.

FERNANDES, A. M. S. et al. Conhecimento, atitudes e práticas de mulheres brasileiras atendidas pela rede básica de saúde em relação às doenças de transmissão sexual. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, p. 103-112, 2000.

BRASIL, Ministério da saúde. A saúde de adolescentes e jovens: uma metodologia de auto-aprendizagem para equipes de atenção básica de saúde. Série F. n. 17. Brasília, 2002.

PONTES, A.P.M. et al. Conhecimentos e práticas de adolescentes acerca das DST/HIV/AIDS em duas escolas públicas municipais do Rio de Janeiro. Esc. Anna Nery. Rev. Enf. Vol.13. 2009.

SPARTA, M; GOMES, W. B. Importância atribuída ao ingresso na educação superior por alunos do ensino médio. Rev. Bras. Orienta. Prof. São Paulo, v. 6, n. 2, dez.2005.

ALMEIDA, M. C. C. et al. Uso de contracepção por adolescentes de escolas públicas na Bahia. Revista de Saúde Pública, 37:566-575. 2003.

BRÊTAS J.R.S, et al. Conhecimentos de adolescentes sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis: subsídios para prevenção. Acta Paul Enferm. 22(6): 786-792. 2009.

MARTINS L.B.M et al. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 22:315-23. 2006.

PAIVA, V. et al. Idade e uso de preservativo na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 2008.

SZWARCWALD C.L. et al. Aids: A disseminação da epidemia da AIDS no Brasil, no período de 1987-1996: uma análise espacial. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2000.

CÂMARA, S. G., Sarriera, J. C., & Carlotto, M. S. Predictores de conductas sexuales de riesgo entre adolescentes. Revista Interamericana de Psicologia, 41(2), 161-166. 2007.

TEIXEIRA A.M.F.B et al. Adolescentes e uso de preservativos: as escolhas dos jovens de três capitais brasileiras na iniciação e na última relação sexual. Cad Saúde Pública. 22(7):1385-96. 2006.

CARLETO, A. P et al. Conhecimentos e Práticas dos Adolescentes da Capital de Mato Grosso quanto às DST/Aids. Cuiabá, 2010; Jornal Brasileiro, Cuiabá, 2010.

SILVA, D.S.; MOURA, J. M. Avaliação do nível de informação das doenças sexualmente transmissíveis (DST´s) e HIV/AIDS dos estudantes do ensino médio do IFMT Campos Bela Vista- Cuiabá/ MT. 2011. Disponível em: http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2011/VII-014.pdf.

SILVA. C.V; BRÊTAS, J.R.S; FERNANDES C.N. Conhecimento de adolescentes sobre doenças sexualmente transmissíveis/ AIDS. Rev Paul Enferm;22(1):12-21. 2003.

NASCIMENTO, L.C. S. & LOPES, C. M. Atividade sexual e doenças sexualmente transmissíveis em escolares do 2º grau de Rio Branco-Acre, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 8(1), 107-13. 2000.

BANDEIRA, A. S; MARTINI, J. G. Saberes e práticas dos adolescentes na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Brasília (DF): Rev Bras Enferm., vol. 56, n.2, p.160-163. 2003.

ETO, A. M et al. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil. Rio de Janeiro: Cad. Saúde Pública. vol. 22, n.2, p. 315-323. 2006.

NASCIMENTO, M.G; XAVIER, P.F; SÁ, R.D.P. Adolescentes grávidas: a vivencia no âmbito familiar e social. Adolescência & Saúde 8.4: 41-47.2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC