SINTOMAS OSTEOMUSCULARES EM TRABALHADORES DE UM SUPERMERCADO EM RIO BRANCO-AC

Gustavo de Souza Moretti, Jéssica Amaral Guimarães, Luana Alves Costa

Resumo


Introdução: Os sintomas osteomusculares relacionados ao trabalho atingem trabalhadores de diversas áreas profissionais, principalmente os que executam tarefas automatizadas ou com grandes repetições de movimentos. Objetivo: Verificar os sintomas osteomusculares dos trabalhadores de um supermercado em Rio Branco-AC e relacionar os sintomas locais de desconforto, tipo e intensidade a atividade física, trabalho e o estilo de vida desses trabalhadores. Método: Trata-se de um estudo transversal e descritivo realizado com 83 trabalhadores de um supermercado em Rio Branco-AC, utilizando-se como instrumento o questionário Nórdico Sintomas Osteomusculares (NMQ) adaptado e com variáveis socioeconômicas, variáveis antropométricas, características ocupacionais e estilo de vida. Resultados: 86,7% dos entrevistados referiram algum sintoma osteomuscular nos últimos doze meses antecedentes à pesquisa. As partes do corpo com maiores prevalências foram: cabeça (55,4%); coluna baixa (43,4%), coluna alta (25,3 %) e pescoço (19,3%). As regiões do corpo mais citadas foram: tronco superior (66,3%); tronco inferior (43,4%); membros superiores (39,8 %) e membros inferiores (37,3%).  Na região da cabeça, pescoço e coluna alta o maior desconforto citado foi dor, de intensidade leve/moderada, e de frequência rara. Já na coluna baixa, o maior desconforto foi dor, de intensidade leve ou moderada e frequente. Conclusão: A alta porcentagem de sintomas osteomusculares nesses trabalhadores sugere um olhar mais apurado voltado à análise e intervenção ergonômica a fim de se buscar uma melhora da qualidade de vida dessa população.

Palavras-chave: LER-DORT. Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao trabalho. Doenças Ocupacionais. Transtornos Traumáticos Cumulativos.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, DF; 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 Mai. 2015.

MERGENER, C. R.; KEHRIG, R. T.; TRAEBERT, J. Sintomatologia músculo-esquelética relacionada ao trabalho e sua relação com qualidade de vida em bancários do Meio Oeste Catarinense. Saude soc., São Paulo, v.17, n.4, p. 171-181, dez, 2008 . Disponível em: . Acesso em: 28.set. 2015.

ZILLI, C.M. Manual de Cinesioterapia/Ginástica Laboral: uma tarefa Interdisciplinar com Ação Multiprofissional. Curitiba: Lovise, 2002.

WUNSCH FILHO, V. Perfil Epidemiológico dos Trabalhadores. Rev. Bras. Med. Trab. v.2, n. 2, p.103-117,2004. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2015.

FRANÇA, L. A. C. DE; AGUIAR, M. I. M. M. Proporção de sintomas osteomusculares em operadores de caixa de supermercados do Distrito Federal. TCC (Curso de fisioterapia)- Faculdade de Ciências da Educação e Saúde – FACES, Centro Universitário de Brasília – UniCEUB, Brasília, DF, 2010. Disponível em: < http://www.repositorio.uniceub.br/handle/123456789/4484 >. Acesso em: 20 mai. 2015.

OLIVEIRA, K. S. B.; MARTINS, M. A.; SILVA, T. S. G. A incidência das doenças ocupacionais dos funcionários de uma rede de supermercado situada na cidade de Belém do Pará atendidos na clínica escola de fisioterapia– FISIOCLÍNICA. TCC (Curso de Fisioterapia) - Universidade da Amazônia – UNAMA, Belém, 2009.

BACHIEGA, J. C. Sintomas de distúrbios osteomusculares relacionados á atividade de cirurgiões-dentistas Brasileiros. Dissertação (mestrado em ciências da reabilitação) Universidade Nove de Julho – UNINOVE.São Paulo, 2009.

MOREIRA, A. C. C.; COUTINHO, C. C. C.; LUCENA, N. M. G. Estudo da Relação dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) e Fibromialgia: uma Revisão de Literatura. Rev. bras. ciênc. saúde, v. 14, n. 2, p. 101-111.2010. Acesso em: 28 set. 2015.

PINHEIRO, F. A. TROCCOLI, B. T.; CARVALHO, C. V. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n.3, p. 307-312, Jun 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102002000300008 &script=sci_abstract&tlng=pt >. Acesso em: 27 set. 2015.

WORDL HEALTH ORGANIZATION. Global recommendations on physical activity for health. Geneva, 2011. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/physical-activity-recommendations-18-64years.pdf. Acesso em: 20 mai. 2015.

BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução 196. 1996. Brasília: CNS; 1996.

MAENO, M.; et al. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) / Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) / Dor relacionada ao trabalho. Protocolos de atenção integral à Saúde do Trabalhador de Complexidade Diferenciada. Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção à Saúde – Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – Área Técnica de Saúde do Trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_ler_dort.pdf. Acesso em: 28 set. 2015.

SILVA, B. A. M. et al. Distúrbios Osteomusculares Autoreferidos em Funcionários de Supermercado. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, v. 27, n.1, p. 13-20, jan./mar., 2014. Disponível em: < http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/2362 >. Acesso em: 12 set. 2015.

SALIBA, T. M. Curso básico de segurança e higiene ocupacional. São Paulo: LTR, 2004. 453 p.

TROUP, J.D.G. Biomechanics of the vertebral column. Physiotherapy; v.65, p.238-44,1979.

BATTISTI, HH, GUIMARÃES ACA, SIMAS JPN. Atividade física e qualidade de vida de operadores de caixa de supermercado. Rev Bras Ciência Mov., v.13, n.1, p.71-78,2005.

MORAES, P. W. T.; BASTOS, A. V. B. As LER/DORT e os fatores psicossociais. Arq Bras Psicol. v.65, n. 1, p. 2-20, 2013. Disponível em: seer.psicologia.ufrj.br/index.php. Acesso em: 28 set. 2015.

ROSA, D. P.; FERREIRA, D. B.; BACHION, M. M. Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho: situação na construção civil em Goiânia. Revista Eletrônica de Enfermagem. v.2, n.1, Goiânia. jan/jun. 2000. Disponível: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fe. Acesso em: 27 set. 2015

SANTOS, L. M. Avaliação de carga de trabalho em operadores de caixa de supermercado: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2015.

REBELO, F. Ergonomia no Dia a Dia. Lisboa: Edições Sílabo, 2004.

BATIZ, E. C.; SANTOS, A. F.; LICEA, O. E. A. A postura no trabalho dos operadores de checkout de supermercados: uma necessidade constante de análises. Produção, v. 19, n. 1, p. 190-201, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prod/v19n1/12.pdf. Acesso em: 02 out.2015.

TRELHA, C. S. et al. Prevalência de sintomatologia musculoesquelética em funcionários de supermercado em Londrina-PR. Fisioter. Mov. v. 17, n. 4, p. 59-64, 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 set.2015.

SANTOS CVS. Avaliação do programa escola de postura em pacientes com lombalgia crônica do hospital municipal Rolim de Moura-RO. Dissertação (Pós-Graduação) - Universidade de Brasília, DF. 2008. Disponivel em : http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S0482-5004201400010005100000&lng=en. Acesso em: 27 set. 2015.

COURY, H. J. C. G. Trabalhando sentado. 2.ed. São Carlos: UFSCar, 1995. 88p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC