HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DE UM CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM ITUIUTABA, MG

Victor Antonio Ferreira Freire, Luciana Karen Calábria

Resumo


Introdução: A alimentação é um indicador fundamental para o estado de saúde geral de todas as pessoas em qualquer faixa etária, uma vez que os hábitos alimentares podem marcar o estado de saúde atual e podem sinalizá-lo futuramente. Objetivo: Este estudo se baseia em um levantamento de informações sobre os hábitos alimentares de universitários do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Uberlândia, ao longo de dois anos, a respeito da frequência no consumo de açúcares, doces, sódio e gorduras, e de como esses estudantes avaliam suas práticas alimentares, comparando com o seu Índice de Massa Corporal. Método: A pesquisa apresenta um caráter longitudinal, sendo realizada com 33 universitários, os quais responderam a um questionário semiestruturado, autorresponsivo, composto de perguntas sobre hábitos de vida e perfil alimentar. As medidas antropométricas de peso e altura também foram aferidas. Resultados e Discussão: Os resultados revelaram que os universitários aumentaram a ingestão de açúcares em +6,0% e de +9,1% na frequência de duas e três vezes ao dia nos anos de 2016 e 2017. O aumento também ocorreu em relação aos outros itens avaliados, sejam eles nas frequências diárias ou semanais, com destaque na ingestão de doces (+ 15,2%) e de sódio (6,0%). Em concordância com os fatos apresentados, o Índice de Massa Corporal revelou aumento nas taxas de sobrepeso (+9,1%) e de obesidade (+3%) no período de 2015 a 2017. Conclusão: Dessa forma, conclui-se que os indivíduos participantes podem apresentar um risco pertinente para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, sendo o hábito da alimentação não saudável e o perfil de sobrepeso e obesidade fatores de risco importantes a serem prevenidos.

Palavras-chave: Comportamento Alimentar. Índice de Massa Corporal. Dieta Saudável.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 84p.

MARCONDELLI, P.; COSTA, T.H.M.; SCHMITZ, B.A.S. Nível de atividade física e hábitos alimentares de universitários do 3º ao 5º semestres da área da saúde. Rev. Nutr., v. 21, n. 1, p.39-4, 2008.

FEITOSA, E. P. S.; DANTAS, C.A.O.; ANDRADE-WARTHA, E.R.S.; MARCELLINI, P.S.; MENDES-NETTO, R.S. Hábitos alimentares de estudantes de uma universidade pública no Nordeste, Brasil. Alim. Nutr., v. 21, n. 2, p. 225-230, 2010.

PEREZ, P.M.P.; DE CASTRO, I.R.R.; FRANCO, A.S.; BANDONI, D.H.; WOLKOFF, D.B. Práticas alimentares de estudantes cotistas e não cotistas de uma universidade pública brasileira. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p.531-542, 2016.

VIEIRA, V.C.R.; PRIORE, S.E.; RIBEIRO, S.M.R.; FRANCESCHINI, S.C.C.; ALMEIDA, L.P. Perfil socioeconômico, nutricional e de saúde de adolescentes recém-ingressos em uma universidade pública brasileira. Rev. Nutr., v. 15, n. 3, p.273-282, 2002.

ALVES, H.J.; BOOG, M.C.F. Promoção de saúde e comensalidade: um estudo entre residentes de moradia universitária. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 13, n. 2, p.43-53, 2006.

OLIVEIRA, A.C.A.; DA SILVA, A.F.; RAPOSO, N.R.B.; CHICOUREL, E.L. Consumo de frutas e hortaliças por estudantes do curso de Farmácia da Universidade Federal de Juiz de Fora. HU Revista, v. 37, n. 3, p.377-385, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 160p.

RICCI, C.D.; EVANGELISTA, C. Comportamento alimentar de estudantes de medicina de uma faculdade privada do interior de São Paulo. In: Congresso Nacional de Iniciação Científica (14º CONIC-SEMESP), 2014, São Paulo. Anais do Congresso Nacional de Iniciação Científica. São Paulo: UNICID, 2014.10p.

JAIME, R.P.; CAMPOS, R.C.; SANTOS, T.S.T.; MARQUES, M.S. Prevalência e fatores de risco da constipação intestinal em universitários de uma instituição particular de Goiânia, GO. Rev Inst Ciênc Saúde., v. 27, n. 4, p.378-83, 2009.

COTA, R.P.; MIRANDA, L.S. Associação entre constipação intestinal e estilo de vida em estudantes universitários. Rev. Bras. Nutr. Clín., v. 21, n. 4, p.296-301, 2006.

PADILLA, M. Satiété alimentaire et internationalisation de l’agro-industrie. Economie et gestion agro-alimentaire, v.19, p.18-23, 1991.

OLIVER, G.; WARDLE, J. Perceived effects of stress on food choice. Physiol. Behav., v. 66, n. 3, p.511-515, 1999.

ZELLNER, D.A.; SAITO, S.; GONZALEZ, J. The effect of stress on men's food selection. Appetite, v. 49, n. 3, p.696-699, 2007.

ADAM, T.C.; EPEL, E.S. Stress, eating and the reward system. Physiol. Behav., v. 91, n. 4, p.449-458, 2007.

STRAZZULLO, P.; D'Elia, L.; KANDALA, N.B.; CAPPUCCIO, F.P. Salt intake, stroke, and cardiovascular disease: meta-analysis of prospective studies. BMJ, v. 339, n. b4567, p.1-9, 2009.

SCHMIDT, M.I.; DUNCAN, B.B.; E SILVA, G. A.; MENEZES, A.M.; MONTEIRO, C.A.; BARRETO, S.M.; CHOR, D.; MENEZES, P.R. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, v. 377, n. 9781, p.1949-1961, 2011.

PALHETA, J.C.P. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em estudantes universitários. 2015. 44 f. Trabalho de conclusão de curso – Curso de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Uberlândia, Ituiutaba/MG, 2015.

MINAS GERAIS. Plano Plurianual de Ação Governamental 2012-2015. Belo Horizonte, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR (IDEC). Campanha mundial alerta sobre riscos do consumo exagerado de sódio, IDEC, São Paulo, 2016. Disponível em: https://www.idec.org.br/em-acao/em-foco/campanha-mundial-alerta-sobre-riscos-do-consumo-exagerado-de-sodio. Acesso em: 07 set. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Redução de sódio, açúcar e gordura trans, Portal da Saúde, Brasília. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_promocao_da_saude.php?conteudo=reducao. Acesso em: 07 set. 2017.

YUSUF, S.; REDDY, S.; ÔUNPUU, S.; ANAND, S. Global burden of cardiovascular diseases: Part I: general consideratins, the epidemiological transition, risk factors, and impact of urbanization. Circulation, v.104, n. 22, p.2746-2753, 2001.

BROWN, I.J.; TZOULAKI, I.; CANDEIAS, V.; ELLIOTT, P. Salt intakes around the world: implications for public health. Intern. J. Epidemiol., v. 38, n. 3, p.791-813, 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Creating an enabling environment for population-based salt reduction strategies: report of a joint technical meeting held by WHO sand the Food Standards Agency. Geneva: WHO, 2010. 42p.

MARCONATO, M.S.F.; DA SILVA, G.M.M.; FRASSON, T.Z. Hábito alimentar de universitários iniciantes e concluintes do curso de nutrição de uma universidade do interior paulista. RBONE, v. 10, n. 58, p.180-188, 2016.

DALMOLIN, V.T.S.; PERES, P.E.C.; NOGUERA, J.O.C. Açúcar e educação alimentar: pode o jovem influenciar essa relação? REMOA, v. 10, n. 10, p.2134-2147, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 160p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC