OS BENEFICIOS DA CINESIOTERAPIA E ELETROESTIMULAÇÂO PARA O FORTALECIMENTO DO ASSOALHO PÉLVICO FEMININO: UMA REVISÃO SISTEMATIZADA

Adna Rocha de Araújo Maia, Alaine Larhana Melo de Melo, Alex Martins Souza, Laissa Maradey de Souza, Patricia Merly Martinelli

Resumo


Introdução: ao vivenciar a longevidade as mulheres podem ser acometidas por fraqueza na musculatura do assoalho pélvico, repercutindo em disfunções miccionais, fecais, sexuais, distopias genitais e dor pélvica. Objetivo: descrever os resultados da cinesioterapia e da eletroestimulação para o fortalecimento do assoalho pélvico feminino, através de uma revisão sistematizada. Método: este trabalho compõe-se de uma pesquisa bibliográfica através de uma revisão sistematizada, obtida na base de dados Medline, através do buscador Pubmed. Resultados: a atuação da fisioterapia no fortalecimento da MAP vem alcançando bons resultados, por meio da cinesioterapia, que se mostra como técnica de escolha capaz de promover o aumento da força da MAP, podendo ser associados ainda a treinos domiciliares. Já a eletroestimulação é o recurso mais indicado para mulheres que não são capazes de contrair a MAP voluntariamente, com maior eficácia quando associado a treinos perineais. Essas técnicas demonstram efetividade quando utilizadas isoladamente, contudo os resultados ainda se mostram mais positivos quando utilizados em terapias combinadas. Conclusão: a cinesioterapia foi o método mais utilizado no fortalecimento da MAP feminina alcançando resultados de potencialização da força e recrutamento muscular, ganho de flexibilidade, coordenação e funcionalidade.

Palavra-Chave: Fisioterapia. Diafragma Pélvico. Estimulação Elétrica.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ANDREAZZA, E. I.; SERRA, E. A influência do método pilates no fortalecimento do assoalho pélvico. Trabalho de conclusão de curso de graduação. Cascavel. PR.2008 Disponível em:. Acesso em 20 ago. 2015.

MOORE, K. L.; AGUR, A. M. R. Fundamentos da anatomia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

BIASON, D.; SEBBEN, V.; PICCOLI, C. T. Importância do fortalecimento da musculatura pélvica na qualidade de vida de mulher com incontinência urinária aos esforços. Revista Eletrônica Fisisenectus; Ano 1. ed. Especial 2013. Disponível em: Acesso em: 15 mai. 2015.

GLISOI, S. F. N; GIRELLI, P. Importância da fisioterapia na conscientização e aprendizagem da contração da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com incontinência urinária. Rev. Bras. Clín. Med. São Paulo. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2015.

DREHER, D. Z. et al. O fortalecimento do assoalho pélvico com cones vaginais: programa de atendimento domiciliar. Scientia Medica, Porto alegre, 2009.Disponível:< file://Downloads/ARTIGO%20CONES%20VAGINAIS.pdf >. Acesso em 15 mai. 2015.

KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios terapêuticos fundamentos e técnicos. 4º ed. São Paulo: Manole, 2005.

MATHEUS, L. M. et al. Influência dos exercícios perineais e dos cones vaginais, associados à correção postural, no tratamento da incontinência urinária feminina. Rev. bras. Fisioter. 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2015.

BERNARDES, N.O. et al. Métodos de Tratamento Utilizados na Incontinência Urinária de Esforço Genuína: um Estudo Comparativo entre Cinesioterapia e Eletroestimulação Endovaginal. RBGO. 2000. Disponível em: Acesso em: 27 mar. 2015.

JEYASEELAN, S. M. et al. An evaluantion of a new pattern of electrical stimulation as a treatment for urinary stress incontinence: a randomized, double-blind, controlled trial. Clinical Reabilitation 2000. Manchester. Disponível em Acesso em: 15 fev. 2017.

KIM, H.; SUZUKI, T.; YOSHIDA, Y.; YOSHIDA, H. Effectiveness of multidimensional exercises for the treatment of stress urinary incontinence in elderly community-dwelling Japanese women: a randomized, controlled, crossover trial. J Am Geriatr Soc. v. 55, n. 12, p. 1932-1939, 2007. Disponível em: .Acesso em: 15 fev. 2017.

PIASSAROLLI, V. P. et al. Treinamento dos músculos do assoalho pélvico nas disfunções sexuais femininas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2010. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2015.

SOUSA, J. G et al. Avaliação da força muscular do assoalho pélvico em idosas com incontinência urinária. Fisioter. Mov. Curitiba. 2011. Disponível em: acesso em: 23 fev. 2016.

BEUTTENMULLER et al. Contração muscular do assoalho pélvico de mulheres com incontinência urinária. Pesq. 2011. Fortaleza. CE. Disponível em:Acesso em: 20 de ago. 2015.

ASSIS et al. Efeito de um programa de exercícios para o fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico de multíparas. Rev. Bras.Ginecol. Obstet. Jataí. GO. 2012. Disponível em Acesso em 21 nov. 2015.

SCALDAZZA, C. V. et al. Percutaneous tibial nerve stimulation versus electrical stimulation with pelvic floor muscle training for overactive blander syndrome in women: results of a radomized controlled study. Int Braz J Urol. 2017. Disponivel em: . Acesso: 15 fev. 2017.

CHARLES, R. B. B et al. Ginecologia e obstetrícia. Tradução: Ana Carolina Mônaco da Silva et al. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2012.

CABELEIRAS, M. E. P. et al. Disfunções do assoalho pélvico em pacientes submetidas à histerectomia: uma revisão bibliográfica. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação. Santa Maria. RS. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2015.

BARACHO, E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos demastologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

MORENO, A. L. Fisioterapia em uroginecologia. São Paulo: Manole, 2004.

ARAÚJO, E. E; BERTAGGIA, M. T; SILVA, J. C. Fortalecimento do assoalho pélvico com exercícios de Kegel na incontinência urinária. Rev. do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Araçatuba. SP. 2009. Disponível em:. Acesso em: 02 abr. 2015.

SARTORI, D.V. E. Efeito da eletroestimulação e exercícios perineais em mulheres com incontinência urinária de esforço. Ensaios e ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. Universidade Anhanguera. Campo Grande. 2011 Disponível em: . Acesso em 20 ago. 2015.

FITZ, F.F. et al. Efeito da adição do biofeedback ao treinamento dos músculos do assoalho pélvico para tratamento da incontinência urinária de esforço. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2012.Disponível em: acesso em: 07 nov. 2015.

BELOS, J. et al. Reeducação de pavimento pélvico com cones de plevnick em mulheres com incontinência urinária. Rev. Acta Méd. Portugal. 2005. Disponível em Acesso em: 07 nov. 2015.

NOLASCO, J. et al. Cinesioterapia no fortalecimento muscular do assoalho pélvico feminino. Rev. Fisio&terapia. 2007. Disponível em: Acesso em: 07 nov. 2015.

GUEDES, F. M.; SEBBEN, V. Incontinência urinária no idoso: abordagem fisioterapêutica. RBCEH, Passo Fundo, 105-113 – jan./jun. 2006. Disponível em: Acesso: em 20 jun. 2015.

KOBATA, A. S. et al. Diagnóstico da incontinência urinária: eletromiografia. In: RIBEIRO et al., editores. Uroginecologia e cirurgia vaginal. São Paulo: Roca; 2001.

LOW, J.; REED, A. Eletroterapia expectativa princípios e prática. 3ª ed. São Paulo: Manole, 2001.

SILVA FILHO, A. L. S. et al. Análise dos recursos para reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com prolapso e incontinência urinária. Fisioter. Pesq. 2013. Belo Horizonte. MG. Disponível em: Acesso em 15 nov. 2015.

AMARO, J. L.; GAMEIRO, M. O. Incontinência Urinária: tratamento não cirúrgico e cinesioterapia. Belo Horizonte: Atheneu, 2001.

CAMILLATO, E. S.; BARRA, A. A.; SILVA, A. L. Incontinência Urinária de esforço: fisioterapia versus tratamento cirúrgico. Rev. Femina. 2012. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2012/v40n4/a3373.pdf> acesso em: 05 nov. 2015.

GROSSE, D.; SENGLER, J. As técnicas de reeducação perineal. São Paulo: Manole 2002.

BASTIANI et al. Reabilitação fisioterapêutica após cirurgia de prostatectomia radical. Efdeportes. Buenos Aires. 2014. Disponível em: acesso em: 26 mar. 2015.

HERMANN, V. et al. Eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico no tratamento da incontinência urinária de esforço: avaliações clínicas e ultrassonográficas. Rev. Assoc. Med. Bras. São Paulo 2003. Disponível em:. Acesso em 20 jun. 2015.

MATHEUS, L. M. et al. Influência dos exercícios perineais e dos cones vaginais, associados à correção postural, no tratamento da incontinência urinária feminina. Rev. bras. Fisioter. 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2015.

OLIVEIRAS, K. A. C; RODRIGUES, A. B. C; PAULA, A. B. Técnicas fisioterapêuticas no tratamento e prevenção da incontinência urinária de esforço na mulher. Revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR. 2007. Disponível em:. Acesso: 19 mar. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC