ESTRESSE EMOCIONAL E SUA INFLUÊNCIA NA SAÚDE BUCAL

Renato Silva de Almeida, Janaira de Lima Guimarães, Joesa Zanconatto de Almeida

Resumo


Introdução: o enfrentamento do estresse é uma tarefa constante ao homem moderno, atrelado às situações desfavoráveis do cotidiano e dependente da suscetibilidade do indivíduo. O estresse emocional é referenciado como um importante fator na manutenção de agravos à saúde bucal, no entanto a abordagem dos aspectos psicoemocionais é, por vezes, negligenciada durante o atendimento odontológico, podendo comprometer o sucesso do tratamento. Objetivos: abordar a influência do estresse na manutenção de agravos à saúde bucal, discorrendo sobre a conduta do cirurgião dentista diante dessa condição. Método: trata-se de pesquisa bibliográfica, utilizando a ferramenta de busca avançada do Portal Regional da BVS, com estudos publicados entre os anos de 2007 a 2017 que investigaram a relação do estresse e outras alterações psicoemocionais com condições bucais específicas. Resultados: a DTM e a doença periodontal se mostraram como as condições bucais mais estudadas. Os resultados apontam significativa relação entre o estresse emocional e tais condições, como consequência de mecanismos responsivos e seus efeitos no organismo: alteração do sistema imunológico, exacerbação da resposta inflamatória, influência sobre bactérias específicas, hiperatividade muscular, alterações comportamentais e modificação da tolerância do indivíduo. Conclusão: com base na literatura e nos resultados encontrados, sugere-se que o estresse emocional é um fator etiológico importante na predisposição ou perpetuação de determinados problemas bucais, podendo se tornar um complicador quando combinado com outros fatores. Neste sentido, é importante salientar que tal condição requer do cirurgião dentista uma conduta diferenciada, compreendendo os fatores psicogênicos envolvidos e proporcionando um manejo clínico cuidadoso e multidisciplinar.

Palavras-chave: estresse, saúde bucal, odontologia.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

LIPP, M.; GUEVARA, A. J. H. O inventário de sintomas de stress para adultos de lipp (ISSL) em servidores da Polícia Federal de São Paulo. Revista Brasileira de terapia cognitiva, v. 4 n. 2. Rio de Janeiro: 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2017.

DAIAN, et al. Estresse em procedimentos cirúrgicos. ABCD Arq Bras Cir Dig. v. 25, n. 12. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2017.

FARIAS, F. R. Sobre o conceito de estresse. Arq. Bras. de Psicologia, v. 38, n. 04, 1985. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2001.

MYERS, D. G. Psicologia. 9ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

LIPP, M. N. Pesquisa: Stress Brasil. Instituto de Psicologia e Controle do Estresse. Disponível em . Acesso em: 05 set. 2017.

BARRETO, Nathália. Brasileiro é o 2º mais estressado do mundo. A Tribuna. Vitória, 2015. Disponível em . Acesso em: 05 set. 2017.

OLIVEIRA, W. Disfunções temporomandibulares. São Paulo: Artes Médicas, 2002.

KORSZUN et al. The relationship between temporomandibular disorders and stress-associated syndromes. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 1998. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

MANFREDINI et al. Mood and anxiety psychopathology and temporomandibular disorder: a spectrum approach. Journal of Oral Rehabilitation, v. 10, n. 31, 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

MARTINS et al. Associação entre classe econômica e estresse na ocorrência da disfunção temporomandibular. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 10, n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

LEÓN, I. G.; GARCÍA, R. C. Influencia del estrés en la eficacia del tratamiento en pacientes con trastornos temporomandibulares. Revista Cubana de Estomatologia v. 46, n. 4, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

BOAS, E. B. V. Prevalência da ansiedade e depressão em pacientes com disfunção temporomandibular muscular persistente. Dissertação (Mestrado em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial) – Centro de Pós-Graduação São Leopoldo Mandic. Campinas: 2009. Disponível em: ttp://192.168.0.2/midias/ELCIMAR%20BICEGO%20VILAS%20BOAS.pdf>. Acesso em: 05 set. 2017.

BEZERRA et al. Prevalência da disfunção temporomandibular e de diferentes níveis de ansiedade em estudantes universitários. Revista Dor, v. 13, n. 3, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017

SILVA et al. Frequência das disfunções temporomandibulares (DTM) e sua relação com a ansiedade e a depressão entre usuários que procuram o setor de odontologia em uma unidade de saúde. Revista APS, v. 17, n. 4, 2012-2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

KOBAYASHI et al. Salivary stress biomarkers and anxiety symptoms in children with and without temporomandibular disorders. Brazilian Oral Research, v. 31, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

DOMINGOS, A. L. A influência do estresse psicológico na doença periodontal: uma revisão de literatura. (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017.

AYUB et al. Estresse como possível fator de risco para a doença periodontal – Revisão da literatura. Revista Periodontia, v. 20, n. 03, 2010. Disponível em: . Acesso em 05 set. 2017.

MOSS et al. Exploratory case-control analysis of psychosocial factors and adult periodontitis. Journal of Periodontology, v. 67, 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

LI et al. Relationship between the chronic periodontitis and the depression anxiety psychological factor. Zhong Nan Da Xue Xue Bao Yi Xue Ban, v. 36, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

MANNEM et al. The effect of stress on periodontitis: A clinicobiochemical study. Journal of Indian Society of Periodontology, v. 16, n. 3, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

JENTSCH et al. The effects of stress hormones on growth of selected periodontitis related bacteria. Anaerobe, v. 24, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

REFULIO et al. Association among stress, salivary cortisol levels, and chronic periodontitis. Journal of Periodontal & Implant Science, v. 43, n. 2, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

SUNDARARAJAN et al. Relationship between depression and chronic periodontitis. Journal of Indian Society of Periodontology, v. 19, n. 3, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

CAKMAK et al. Gingival crevicular fluid and saliva stress hormone levels in patients with chronic and aggressive periodontitis. Journal of Clinical Periodontology, v. 43, n. 12, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

CARRANZA, A. F. Periodontia clínica. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MORAES, A.B.A. Psicologia e Saúde Bucal: circunscrevendo o campo. In KERBAUY, R. R. Comportamento e Saúde: explorando alternativas. Editora ARBytes: Santo André, 1999. Disponível em: http://w2.fop.unicamp.br/dos/psicologia_aplicada/downloads/Texto_Complementar2-2_Psicologia_Aplicada_a_Odontologia.pdf>. Acesso em: 22 set. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC