CUIDADOS PALIATIVOS PRESTADOS PELO ENFERMEIRO AO PACIENTE ONCOLÓGICO

Alda Laisse Nascimento dos Santos, Sabrina de Souza Lira, Ruth Silva Lima da Costa

Resumo


Introdução: O cuidado paliativo prestado ao paciente oncológico exerce grande impacto não somente no paciente, mas também em sua família e até mesmo nos profissionais de saúde envolvidos no cuidado, que consiste em promover a melhoria da sua qualidade de vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais e psicológicos que eventualmente ocorrem durante o tratamento. Objetivo: O estudo objetivou descrever os cuidados paliativos prestados pelo enfermeiro ao paciente oncológico. Método: Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura com busca de dados em fontes secundárias de material científico já publicado sobre a temática. Resultados: Os resultados apontam que a partir do diagnóstico de câncer até os cuidados paliativos se estabelece uma relação entre enfermeiro e paciente com o intuito de proporcionar uma melhor assistência a este, por parte do enfermeiro, que visa minimizar o sofrimento causado pela doença, além da utilização de meios de suporte, para proporcionar esperança com o tratamento e para um melhor enfrentamento da doença. O estudo demonstra ainda que o papel do profissional enfermeiro nos cuidados paliativos é essencial para a condução e aceitação do diagnóstico pelo paciente. Conclusão: Conclui-se que a humanização, o amparo, o conforto, a solidariedade e a compaixão prestada tanto pelo enfermeiro, quanto pela família ao paciente oncológico durante a realização de cuidados paliativos, são indispensáveis e fundamentais nesta fase, proporcionando aos mesmos um tratamento menos doloroso e mais digno.

Palavras-chave: Qualidade de vida. Oncologia. Assistência de enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BRASIL. Instituto Nacional de Câncer. Brasil: dados dos registros de base populacional e de mortalidade. Rio de Janeiro. INCA. 2008. Disponível em: http://www.inca.gov.br/cgi/notatecnica_11012007.pdf

KERSUL, A. P. Enfrentamento do câncer: riscos e agravos. Rev. enferm UFPE on line. p1230-1236. 2014.

BARBOSA, I.R. Tendências e projeções da mortalidade pelos cânceres específicos ao gênero no Brasil.Tese (Doutorado em saúde coletiva)- Centro de ciências em saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2015.

RODRIGUES, J.S.M.; FERREIRA, N. M. L. A. Caracterização do Perfil Epidemiológico do Câncer em uma Cidade do Interior Paulista: Conhecer para Intervir. Revista Brasileira de Cancerologia 431-441,2010.

Organização Mundial de Saúde: Academia Nacional de Cuidados Paliativos; 2014 [Acesso em 2017 nov. 28]. Disponível em < paliativo.org.br/OMS-mais-de-20-milhões-precisam-de-cuidadospaliativos-todos-os-anos/. Publicado em 28/01/2014.

SILVA, E.P.; SUDIGURSKY, D. Concepções sobre cuidados paliativos: revisão bibliográfica. Acta Paula Enfermagem.p.54-60. 2008.

INOCENTI, A.; RODRIGUES, I.G.; MIASSO, A. I. Vivências e sentimentos do cuidador familiar do paciente oncológico em cuidados paliativos. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 11, n. 4, p. 858-65, 2009.

ARAÚJO M.M.T.; SILVA M.J.P. A comunicação com o paciente em cuidados paliativos: valorizando a alegria e o otimismo. Rev Enferm USP, São Paulo. p. 92-97 2007.

SILVA, R.C.F.; HORTALE V. A. Cuidados paliativos oncológicos: elementos para o debate de diretrizes. Cad. Saúde Pública, vol.22, n.10, pp.2055-2066,2006.

PREARO, C. et al., Percepção do enfermeiro sobre o cuidado prestado aos pacientes portadores de neoplasia. São Paulo, p.45-51. 2011.

STUMM, E.M.F.; LEITE, M. T.; MASCHIO, G. Vivências de uma equipe de enfermagem no cuidado a pacientes com câncer. Cogitare Enfermagem, v. 13, n. 1, p.15 -21.2008.

AVANCI, B.S. et al., Cuidados paliativos à criança oncológica na situação do viver/morrer: a ótica do cuidar em enfermagem. Centro Universitário Plínio Leite. p 76-81. 2009.

FERNANDES, M.A. et al. Percepção dos enfermeiros sobre o significado dos cuidados paliativos em pacientes com câncer terminal. Ciência & Saúde Coletiva, v 8. N 9,p 2589- 2596. 2013.

SILVA, M.M.; MOREIRA M. C. Sistematização da assistência de enfermagem em cuidados paliativos na oncologia: visão dos enfermeiros. Acta paul. enferm., vol.24, n.2, p.172-178. 2011.

COSTA, T.F.; CEOLIM, M. F. A enfermagem nos cuidados paliativos à criança e adolescente com câncer. revisão integrativa da literatura. Revista Gaúcha de. Enfermagem. p.776-784.2010.

GOMES, C.Y.O. S. et al., O Enfermeiro e os cuidados paliativos prestados a pacientes oncológicos terminais Rev. Rio Sanare, v 14-suplemento 1. 2015.

DIAS, G.A.R. et al., A atenção prestada por enfermeiros em cuidados paliativos: revisão integrativa da literatura. Revista Eletrônica de Gestão e Saúde. P.1-16.2014.

BATISTA, P.E P.M M. Stress e coping nos enfermeiros dos cuidados paliativos em oncologia. Dissertação (Mestrado) - Curso de Enfermagem, Instituto de Ciências Biomêdicas de Abel Salazar da Universidade do Porto, Porto, 2008.

SANTANA, J.C.B. et al. Cuidados Paliativos aos pacientes terminais: percepção da equipe da enfermagem. Rev.Centro Universitário São Camilo,.p.77-86.2009.

VOLPATO, F.S.; SANTOS, G R. S. Pacientes oncológicos: um olhar sobre as dificuldades vivenciadas pelos familiares cuidadores. Revista Imaginário, v. 13, n. 14, p. 511-544, 2007.

OLIVEIRA, M.C.L.; FIRMES, M.P.R. Sentimentos dos profissionais de enfermagem relação ao paciente oncológico. Revista Min. Enferm. p 91-97,2012.

FARIA, D.A.P.; MAIA, E.M.C. Ansiedades e sentimentos de profissionais da enfermagem nas situações de terminalidade em oncologia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 15, n. 6, p. 1131-1137, 2007.

SOUSA, D.M. et al. A vivência da enfermeira no processo de morte e morrer dos pacientes oncológicos. Texto & Contexto Enfermagem, v. 18, n. 1, p. 41-47, 2009.

CARVALHO, C.S.U. A necessária atenção à família do paciente oncológico. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 54, n. 1, p. 97-102, 2008.

SALIMENTA, A.M.O. et al., Estratégias de enfrentamento usados por enfermeiros ao cuidar de pacientes oncológicos. Revista de enfermagem da UFSM. p 8 – 16,2013.

TIGULINI, R.S.; MELO M.R.A.C. A comunicação entre enfermeiro, família e paciente crítico. Revista Latino-Americana de Enfermagem.p.89-95.2006.

OLIVEIRA, W. T. et al., Vivência do cuidador familiar na prática do cuidado domiciliar ao doente crônico dependente. Rev.Ciência & Saúde. p 129-137,2012.

TEXEIRA, E.; PIRES, E. Proposta de Trabalho de apoio psicossocial dos pacientes com câncer. Revista Saúde. v 10. n 1.p.27-34.2016.

AQUINO, V.V.; ZAGO, M. M. F. O significado das crenças religiosas para um grupo de pacientes oncológicos em reabilitação. Revista Latino-Americana de Enfermagem. v 15, n 1. Universidade de São Paulo; p. 45-53. 2007.

LAGES, M.G. et al. Estratégias de enfrentamento de enfermagem frente ao paciente oncológico pediátrico. Revista Brasileira de cancerologia. p. 503-510.2011.

CASARIN, S.T.; HECK, M.R.; SCHWARTZ, E. O uso de práticas terapêuticas alternativas, sob a ótica do paciente oncológico e sua família. Fam.Saúde. Desenv. v 7. n.1, p 24-31.2005.

MESQUITA, A.C. et al. A utilização do enfrentamento religioso/espiritual por pacientes com câncer em tratamento quimioterápico. Rev-Latino.Am.Enfermagem. p 98-104.2013.

FORNAZARI, S.A.; FERREIRA, R.E. Religiosidade/Espiritualidade em pacientes Oncológicos: Qualidade de vida e saúde. Psicologia:Teoria e Pesquisa,v 26.n 2, p 265-272. 2010.

ALVES R. F. et al. Qualidade de vida em pacientes oncológicos na assistência em casas de apoio. Alethua. p 39-54. 2013.

GUERREIRO, G.P. et al. Relação entre espiritualidade e câncer; Perspectiva do paciente. Revista Brasileira de Enfermagem; v. 64, n. 1, p. 53-59, 2011.

RODRIGUES, F.S. S.; POLIDORI, M.M. Enfrentamento e Resiliência de pacientes em Tratamento Quimioterápico e seus familiares. Revista Brasileira de Cancerologia. p 619-627. 2012.

SALCI, M.A.; MARCON, S.S. Enfrentamento do câncer em família. Texto & Contexto Enfermagem, v 20, p.178-186. 2011.

COSTA, P.; LEITE, R.C.B.O. Estratégias de enfrentamento utilizadas pelos pacientes oncológicos submetidos a cirurgias multiladoras. Revista Brasileira de Cancerologia. p 355-364. 2009


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC