PARTOS PREMATUROS EM ADOLESCENTES EM RIO BRANCO - ACRE NO ANO DE 2015

Ana Rosa Sales Hydall, Risauda Nóbrega Duarte, Ruth Silva Lima da Costa

Resumo


Introdução: Atualmente o aumento do número de casos de gravidez na adolescência tem se tornado um fator preocupante, pois na maioria dos casos a maternidade nesse período pode trazer consequências físicas, emocionais, sociais e econômicas à mãe adolescente e ao recém-nascido, principalmente pelo aumento do risco da ocorrência de partos prematuros. Objetivo: O objetivo da pesquisa foi identificar o número de partos prematuros de mães adolescentes na cidade de Rio Branco – Acre, no ano de 2015. Método: Trata-se de um estudo transversal, exploratório, de abordagem quantitativa, com coleta de informações em banco de dados secundários. Resultados: Os resultados apontam que ocorreram 636 partos prematuros em Rio Branco no ano de 2015, destes 158 (25%) em adolescente entre 10 a 19 anos, e 478 (75%) em mulheres entre 20 e 49 anos.  Quanto ao grau de instrução, 75 (47%) das adolescentes estudaram de 4 a 7 anos e 71 (45%), de 8 a 11 anos; 103 (65%) estavam em união consensual e 44 (28%) eram solteiras. Quanto ao número de consultas de pré-natal, 73 (46%) realizaram de 04 a 06 consultas, e 38 (24%) de 1 a 3 consultas. Quanto ao tipo de parto, 98 (62%) tiveram parto vaginal e 60 (38%) parto cesáreo, dessas 13 (8%) tinham entre 10 e 14 anos de idade, e 145 (92%) de 15 a 19 anos. Conclusão: Conclui-se que a ocorrência de partos prematuros em adolescentes na cidade de Rio Branco é um fator preocupante e sugere a necessidade de implementação de ações específicas voltadas à saúde reprodutiva de adolescentes no município, como o desenvolvimento e a implantação de políticas públicas efetivas direcionadas a essa população para uma melhor abordagem da problemática.

Palavras-chave: Gravidez na adolescência. Trabalho de parto prematuro. Fatores de risco.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

LIMA, T.N.F.A et al. Redes de apoio social às mães adolescentes. Rev. enferm. UFPE on line, v. 10, n. 6, p. 4741-4750, 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Orientações básicas de atenção integral à saúde de adolescentes nas escolas e unidades básicas de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

TRINDADE, R.F.C; BORGES, A.V.L. Gravidez na adolescência. Enfermagem e a saúde do adolescente na atenção básica. Barueri (SP): Manole. p. 34-45. 2009.

ZANI, A.V. et al. Recém-Nascido de risco na percepção da mãe adolescente. Rev. Rene. v. 12. Fortaleza, 2011.

KASSAR, S. B. et al. Peso ao nascer de recém-nascidos de mães adolescentes comparados com o de puérperas adultas jovens. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. Recife, v. 5, n. 3, p. 293-299, set. 2005.

SIMOES, V. M. F. et al. Características da gravidez na adolescência em São Luís, Maranhão. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 5, p. 559-565, out. 2003.

YAMAGUCHI, M. U. et al. Complicações maternas e neonatais em fila de espera da Central de Regulação de Leitos na macrorregião de Maringá. Mundo Saúde.p.197-203. 2014.

EVALDO, L.C.; MARIA, C.F. S.; ADRIANO, D. Gravidez na adolescência determinante para prematuridade e baixo peso. Com. Ciências Saúde - 22 Sup. P.183-188. 2011.

BRITO, E. P.; MOLENA-FERNANDES, C. A.; FILHO, C. C.S. Os serviços de saúde sob a ótica da adolescente grávida: uma revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 5, n. 3, p. 563-572, 2015.

NADER, P. R. A.; COSME, L. A. Parto prematuro de adolescentes: influência de fatores sociodemográficos e reprodutivos. Espírito Santo, 2007. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 14, n. 2, p. 338-345, 2010.

CARNIEL, E. F. et al. Características das mães adolescentes e de seus recém-nascidos e fatores de risco para a gravidez na adolescência. Campinas, SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 2006.

DINIZ, E.; KOLLER, S.H. Fatores associados à gravidez em adolescentes brasileiros de baixa renda. Paidéia, v. 22, n. 53, 2012.

GOLDENBERG, P.; FIGUEIREDO, M.C.T; SILVA, R.S. Gravidez na adolescência, pré-natal e resultados perinatais. Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. p.1077-1086. 2005.

CONDE-AGUDELO, A.; BELIZÁN, J.M.; LAMMERS, C. Maternal perinatal morbidity and mortality associated with adolescent pregnancy in Latin America: cross-sectional study. Am J Obstet Gynecol.p. 342-349. 2005.

CHANG, S.C. et al. Characteristics and risk factors for adverse birth outcomes in pregnant black adolescents. J Pediatr.p. 250-257. 2003

ROCHA, R.C.L. et al. Prematuridade e baixo peso entre recém-nascidos de adolescentes primíparas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. P. 530-535. 2006

AZEVEDO, G.D. et al. Efeito da idade materna sobre os resultados perinatais. Rev. Bras Ginecol Obstet.p.181-185. 2008.

VIERIA, E.M. et al. Gravidez na adolescência e transição à vida adulta em jovens usuárias do SUS. Rev. Saúde Publica.p 25-51. 2017.

FRASER, A.M.; BROCKERT J.; WARD R.H. Association of young maternal age with adverse reproductive outcomes. N Engl J Med.p.1113-1117. 2005

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

FERNANDES, R. F. M. et al. Características do pré-natal de adolescentes em capitais das regiões Sul e Nordeste do Brasil, Texto & Contexto - Enfermagem. p. 80-86. 2015.

SILVEIRA, I.P.; OLIVEIRA, M.I.V.; FERNANDES, A F.C. Perfil Obstétrico de Adolescentes de uma Maternidade Pública no Ceará. Esc Anna Nery R Enferm.p. 205-210. 2004.

DA SILVA, B.D.; TAVARES, B. B. Expectativa quanto ao parto e conhecimento do motivo da cesárea: entre puérperas adolescentes e adultas. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n. 1, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC