COMPORTAMENTO AUTONÔMICO NA ALOPECIA AREATA: RELATO DE CASO

Anara Sandi Morais de Souza, Pâmela Araújo da Silva, Luiz Carlos de Abreu, Rodrigo Daminello Raimundo, Natália da Silva Freitas Marques

Resumo


RESUMO

Introdução: A Alopecia areata (AA) é qualquer alteração patológica do corpo, causada por queda capilar pela interrupção do crescimento dos fios, podendo afetar também as unhas. Sua etiologia é de origem desconhecida. Está relacionada à fatores auto-imunes, genéticos, psicológicos e psicossomáticos. Objetivo: Relatar o comportamento autonômico de uma paciente com a doença AA. Método: Trata-se do relato de um caso de AA. O protocolo de coleta consistiu em verificar a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) através de um cardiofrequencímetro refletindo o comportamento autonômico, importante preditor de morbimortalidade. Resultados: Por meio da análise dos resultados e comparação entre o comportamento da VFC da paciente com AA em relação à média dos pacientes do grupo controle/saudáveis, foi possível observar que houve predomínio do controle parassimpático na paciente com AA. Enquanto que as variáveis que representam o controle simpático se apresentaram sempre inferiores quando comparados com o grupo controle. Houve exacerbação das variáveis SDNN e LF/HF, que representam de forma global a atuação autonômica. Já nos métodos não-lineares observou-se pequena dispersão dos intervalos RR, demonstrando baixa variabilidade, representando mau controle autonômico nesta paciente. Conclusão: Contudo observou-se que a paciente com AA apresentou um predomínio parassimpático e uma redução evidente da ação do simpático quando comparadas as variáveis da VFC ao grupo controle, ocasionando um desequilíbrio das funções involuntárias de vários órgãos do corpo, apresentando relação causal com a doença auto-imune que a paciente apresenta, que interfere diretamente no controle autonômico, acrescida do uso de fármacos (glicocorticóides) que inibem a atividade simpática.Observou-se ainda uma alteração nos níveis de vitamina D, que sugere uma tendência de pacientes com AA em desenvolver doenças auto-imunes, doenças cardiovasculares, infecções e osteoporose.

Palavras-chave: Alopecia. Sistema imunológico. Sistema Nervoso Autônomo. Vitamina D.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

RIVITTI, Evandro A. Alopecia areata: revisão e atualização. Na Bras Dermatol, v.80, n.1, p.57-68, 2005.

PRADO, Renata Bilion Ruiz, NEME, Carmen Maria Bueno. Experiências afetivo-familiares de mulheres com alopecia areata. Estudos de Psicologia, Campinas, v.25, n.4, p.487-497, outubro-dezembro 2008.

PEREIRA, José Marcos, SANCHEZ, Ana Paula Galli, SILVA, Angélica Pimenta. A importância do exame tricológico no diagnóstico da alopecia areata. An Bras Dermatol, v.86, n.5, p.1039-4, 2011.

CARVALHO, Lara Trindade, D'ACRI,Antonio Macedo.Alopecia areata: Revisão Bibliográfica e relato de caso. Cad Bras Med XXVII, n.3, p.1-58, 2014.

MACHADO, Paulo R.L, et al. Mecanismos de resposta imune às infecções. Na bras Dermatol, Rio de Janeiro, v. 79, n. 6, p. 647-664, nov/dez 2004.

ALVES, Glaucie Jussilane, NETO, João Palermo. Neuroimunomodulação: sobre o diálogo entre os sistemas nervoso e imune. Rev. Bras Psiquiatr, v.29 n.4, p.363-9, 2007.

ANDRADE, Luís Eduardo Coelho, DELLAVANCE, Alessandra, LESER, Paulo Guilherme. Análise Crítica do Teste de AnticorposAntinúcleo (Fan) na Prática Clínica. Rev Bras Reumatol.,v. 47, n.4, p. 265-275, jul/ago, 2007.

VANDERLEI L. C. M, PASTRE C. M, HOSHI R. A, CARVALHO T. D, GODOY M.F. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Rev Bras Cir Cardiovasc., v. 24, n. 2, p. 205-17, 2009.

AMARAL, Maria de Fátima. Comparação entre Variabilidade da Freqüência Cardíaca de Jovens Tabagistas e Não Tabagistas. Rev Bras Cardiol., v. 26, n. 6, p. 450-56, 2013 novembro/dezembro.

RAIMUNDO, Rodrigo Daminello, et al. Heart rate variability in stroke patients submitted to an acute bout of aerobic exercise. Transl Stroke Res., v. 4, p. 488-99, 2013.

HALL, John E. O Sistema nervoso autônomo e a medula adrenal. In: HALL,John E. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de janeiro: Elsevier, 2017. p. 773 - 775.

COSTANZO, Linda S. Fisiologia. 2007, Elsevier Editora Ltda.

ALVES, Glaucie Jussilane, NETO, João Palermo. Neuroimunomodulação: influências do sistema imune sobre o sistema nervoso central. Rev Neurocienc, v.18, n. 2, p. 214-219, 2010.

DEAK, Andrea Marques, STERNBERG, Esther. Psiconeuroimunologia - A relação entre o sistema nervoso central e o sistema imunológico. Rev. Bras. Psiquiatr, v.26 n.3, p.143-4, 2004.

BENNER, FabianeMulinari, HAMMERSCHMIDT, Mariana.Efficacy and safety of methotrexate in alopecia areata. An Bras Dermatol. v.89, n. 5, p. 729-34, 2014.

CARVALHO, Vinicius de Farias, INSUELA, Danielle Bianchi Reis, TORRES, Rafael Carvalho. MECANISMOS CELULARES E MOLECULARES DA AÇÃO ANTIINFLAMATÓRIA DOS GLICOCORTICÓIDES. Corpus etScientia, v. 8, n. 2, p. 36-51, out. 2012.

DEFLAZACORTE. Farm. Resp.: Dr. Ronoel Caza de Dio - CRF-SP nº 19.710. Novamed Fabricação de Produtos Farmacêuticos Ltda. Manaus/AM, 2016. Bula de remédio.

NASCIMENTO, Iana Sousa, MIZIARA, Carmen Silvia Molleis Galego. Disfunção do eixo Hipotálamo-Hipófise-Adrenal na dor crônica generalizada: uma análise da literatura com enfoque pericial. Saúde, Ética & Justiça, v. 20, n. 1, p. 29-36, 2015.

DANTAS, Andréa Tavares, et al. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev Bras Reumatol, v. 50, n. 1, p. 67-80, 2010.

GHAFOOR, Rabia, ANWAR Muhammad Irfan.Deficiência de vitamina D na Alopecia Areata.Jornal do Colégio de Médicos e Cirurgiões Paquistão, v. 27, n. 4, p. 200-202, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Associado à ABEC